Wall Street sobe pelo terceiro dia consecutivo

Os principais índices de Wall Street subiram acentuadamente esta quinta-feira, depois de os investidores voltarem a estar confiantes no menor impacto da variante Omicron.

Os principais índices de Wall Street subiram acentuadamente pela terceira sessão consecutiva esta quinta-feira, depois de os investidores se sentirem encorajados com a maior facilidade de a economia absorver o impacto da variante Omicron. Os ganhos foram amplos em todos os setores industriais e de consumo.

De acordo com dados preliminares, o S&P 500 ganhou 29,15 pontos, ou 0,62%, para terminar nos 4.725,71 pontos; o Nasdaq Composite ganhou 127,54 pontos, ou 0,82%, para os 15.649,43 pontos; e o  Dow Jones Industrial Average subiu 194,73 pontos, ou 0,54%, para 35.948,62 pontos.

Os investidores foram sensíveis ao facto de os fabricantes de vacinas AstraZeneca e Novavax terem dito que as suas vacinas protegem face à variante Omicron, ao mesmo tempo que dados do Reino Unido sugerem que a nova estirpe pode causar proporcionalmente menos casos de hospitais que a variante Delta.

“Havia muitos sentimentos negativos a chegar no final do ano, e os investidores provavelmente continuaram a ver um crescimento económico muito forte e desenvolvimentos bastante positivos no que se refere à inovação em saúde em torno da Covid e isso está a colocar a oferta de ações em alta e a fazer com que os investidores procurem alocar capital no fecho do ano”, disse Matthew Miskin, da John Hancock Investment Management, citado pela agência Reuters.

Entretanto, os dados económicos impactaram pouco os mercados mobiliários. O número de norte-americanos a pedir subsídio de desemprego foi de 205 mil na semana que terminou, os mesmos da semana anterior, o que correspondeu às expectativas do mercado. A leitura contínua dos pedidos de subsídio, que atrasa uma semana os dados, diminuiu para de 1,867 milhões para os 1,859 milhões, com os analistas a esperem melhor: 1,820 milhões.

As novas encomendas de bens duradouros fabricados nos Estados Unidos aumentaram 2,5% em Novembro, após uma redução de 0,5% em outubro, bem acima das previsões de mercado de 1,6%.

As encomendas de bens duradouros, excluindo transporte, aumentaram 0,8% em novembro, após um aumento de 0,3% revisto em baixa no mês anterior e em comparação com as expectativas dos analistas de 0,6%.

Os rendimentos pessoais diminuíram 0,4% em novembro, depois de um aumento de 0,5% em outubro e em linha com as expectativas do mercado. As despesas pessoais diminuíram para 0,6% em relação ao anterior mês de novembro, após um aumento de 1,3% em outubro, em linha com o esperado pelo mercado.

Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários