Wall Street termina semana com ganhos

A DocuSign, empresa de assinaturas digitais certificadas, foi das que mais se destacou na bolsa de Nova Iorque esta sexta-feira. As ações da tecnológica dispararam mais de 10% após a divulgação dos resultados trimestrais, que superaram as expectativas dos analistas.

A bolsa de Nova Iorque fechou a sessão desta sexta-feira, a última da semana, em terreno positivo. Os três principais índices vão de fim de semana no ‘verde’, mas serão os próximos dias a ter as referências macroeconómicas mais marcantes para os investidores. “O mercado está à espera dos dados da inflação, tanto americana como europeia, na próxima semana”, recordam os analistas do Bankinter, em research.

A subida desta tarde surge depois de o presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed) ter feito ontem uma nova referência aos esforços do banco central em conter a inflação. “Posso garantir que os meus colegas e eu estamos extremamente comprometidos com este projeto e continuaremos assim até que o trabalho fique feito”, afirmou Jerome Powell, numa audiência no Cato Institute.

Em Wall Street, o industrial Dow Jones somou 1,19% para os 32.151,71 pontos e o financeiro S&P 500 avançou 1,52% para os 4.066,95 pontos. O índice tecnológico Nasdaq subiu 2,11% para os 12.112,31 pontos. Por sua vez, o Russell 2000 valorizou 1,74% para os 1.874,35 pontos.

As ações da Tesla subiram 3,60% para 299,68 dólares, na sequência de ter vindo a público que a fabricante de veículos elétricos liderada por Elon Musk estaria a ponderar abrir uma instalação de refinação de lítio no Texas.

Ainda assim, a empresa que mais se destaca é a DocuSign, cujos títulos dispararam 10,51% para 64,04 dólares. A tecnológica das assinaturas digitais certificadas reage aos resultados trimestrais, que superaram as expectativas do mercado – as receitas, por exemplo aumentaram 22% em termos homólogos, para os 622,2 milhões de dólares.

Quanto às matérias-primas, o preço do petróleo WTI, produzido no Texas, valoriza 3,24% para os 86,25 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent avança 3,58% para os 92,34 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro está a apreciar 0,49% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,0043 dólares. Em relação à libra esterlina, a moeda de 19 países da União Europeia deprecia 0,25% para 0,8665 euros. “A retórica hawkish do BCE e o recuo do dólar estão a apoiar a recuperação do par euro-dólar que está a testar a marca dos 1,01 – o nível mais alto desde 18 de agosto”, destacam os analistas da XTB.

Recomendadas

“A Reserva Federal tem corrido atrás do prejuízo”. Veja o “Mercados em Ação”

A Fed reuniu de emergência na segunda-feira. Esta semana no “Mercados em Ação”, o subdiretor do JE, André Cabrita-Mendes, juntamente com Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, e Nuno Sousa Pereira, da Sixty Degrees, analisam os efeitos das próximas decisões do banco central norte-americano.

Ouro supera os 1.700 dólares, mas o seu caminho “permanece incerto”

O atual clima económico beneficia ativos de refúgio tradicionais, como o ouro, mas a tendência pode inverter e aumentar a procura por títulos.

Bolsa de Lisboa encerra sessão com a maioria das cotadas em terreno positivo

Quanto às congéneres europeias, o alemão DAX termina sessão a crescer 3,76%, o espanhol IBEX 35 a somar 3,14%, o francês CAC 40 a subir 4,24% e o britânico FTSE 100 a valorizar 2,30%.
Comentários