Warren Buffett perdeu 36 mil milhões de euros em ações da Apple desde o início do ano

O milionário detinha 908 milhões de ações da Apple, com um custo base de 31 mil milhões no final de dezembro.

Carlos Barria/Reuters

A Berkshire Hathaway, do milionário Warren Buffett, perdeu 36 mil milhões de euros em ações da sua participação na Apple este ano, revela o “Business Insider” este sábado, 1 de outubro.

O milionário detinha 908 milhões de ações da Apple, com um custo base de 31 mil milhões no final de dezembro. O preço das ações da Apple caiu 24% este ano, numa altura em que os investidores se preparam para uma desaceleração económica e preocupações com a fraca procura pelo novo iPhone 14.

Desta forma, a participação da Berkshire Hathaway registou uma queda dos 161 mil milhões para os 125 mil milhões de euros.

Warren Buffett investiu 36 mil milhões de euros na Apple entre 2016 e 2018, mas perdeu cerca de 9% da sua posição em 2020, reduzindo a sua base de custos para 31 mil milhões.

A Berkshire conta a Apple como a holding número um do seu portefólio de ações e continua a ser o maior acionista individual da Apple, com uma participação de 5,6%.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários