Washington assinala independência de Cabo Verde e espera reforçar relação

Cabo Verde proclamou a independência de Portugal a 5 de julho de 1975. “A nossa relação tem mais de 200 anos”, dizem os EUA.

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos enviou esta terça-feira os parabéns a Cabo Verde pelos 47 anos de independência, manifestando “orgulho por celebrar” com o país lusófono e esperança de que a relação bilateral “se fortaleça nos próximos anos”.

“Os Estados Unidos têm orgulho de celebrar com Cabo Verde quando celebra mais um ano de independência”, escreveu, em comunicado, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em nome dos Estrados Unidos da América.

Segundo a nota, os EUA e Cabo Verde “partilham os objetivos de democracia, segurança e prosperidade económica”.

“A nossa relação tem mais de 200 anos e esperamos que esta relação apenas se fortaleça nos próximos anos”, sublinhou.

Cabo Verde proclamou a independência de Portugal em 05 de julho de 1975.

Para assinalar os 47 anos da independência, a Assembleia Nacional (AN) cabo-verdiana realiza hoje uma sessão comemorativa, em que estão previstos discursos do chefe do Estado, do presidente da AN, e dos líderes parlamentares dos partidos políticos, entre outros.

 

Recomendadas

Supremos Tribunais de Justiça lusófonos juntos em São Tomé e Príncipe para debater independência

“O Fórum dos presidentes dos Supremos Tribunais de Justiça dos países e territórios da língua portuguesa é uma efetivação da existência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, a CPLP, pois, a CPLP é muito mais que uma comunidade política, ela deve ter a expressão em todas as áreas de intervenção pública e privada”, declarou o Presidente são-tomense Carlos Vila Nova na abertura do evento.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Angola. Processo de reprivatização da UNITEL já começou (com áudio)

Em outubro, o presidente de Angola anunciou a transferência para o Estado, através de nacionalização, das participações da Vidatel e da Geni na operadora de telecomunicações angolana Unitel, detidas até então por Isabel dos Santos e pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”.
Comentários