Web Summit vai pedir certificado de vacinação ou teste PCR negativo aos participantes (com áudio)

A maior conferência de tecnologia do mundo, que regressa a Portugal em novembro depois de um ano de ausência por força da pandemia, irá ainda permitir a utilização de máscaras faciais no evento, apesar de prever que estas já não sejam obrigatórias em Portugal quando este se realizar.

Cody Glenn/Web Summit

A Web Summit irá exigir aos seus participantes um certificado de vacinação contra a Covid-19 ou um teste PCR negativo feito, no máximo, nas 72 horas anteriores ao evento. Em comunicado esta terça-feira, a organização da conferência diz-se comprometida com o cumprimento das regras sanitárias de contenção da pandemia, apesar da evolução positiva da mesma em Portugal.

A organização do evento que irá voltar a Lisboa nos dias 1 a 4 de novembro, depois de um ano em formato exclusivamente virtual, fruto da Covid-19, faz saber que irá exigir um certificado oficial de vacinação contra a doença. Alternativamente, um teste PCR feito nas 72 horas anteriores pode ser apresentado.

Apesar de prever que à altura da conferência a legislação portuguesa já não obrigue à utilização de máscara em recintos fechados, a Web Summit faz saber que irá acolher e apoiar os participantes que escolham utilizar uma proteção facial, como forma de contenção de possíveis contágios.

“A saúde dos participantes é a nossa prioridade número um. As nossas equipas de produtores de eventos de classe mundial têm reunido regularmente com a Direção Geral da Saúde portuguesa para construirmos uma Web Summit em estreita conformidade com as regras de saúde à altura”, afirmou Paddy Cosgrave, cofundador e diretor executivo da maior conferência de tecnologia do mundo.

Relacionadas

Web Summit será presencial este ano, confirma Paddy Cosgrave

A maior cimeira de tecnologia que decorre em Lisboa entre 1 e 4 de novembro, será presencial este ano, confirma o presidente executivo e cofundador.
Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários