Whitestar ganha gestão de carteira de NPL de 200 milhões do portefólio ‘Guincho’

A carteira de crédito ‘non-performing unsecured’, que vai ser gerida pela empresa, é composta por mais de 3.700 créditos, cerca de 1.300 devedores e um valor em dívida que ultrapassa os 200 milhões de euros. 

A Whitestar anunciou que ganhou a gestão de uma carteira de 200 milhões de euros, de crédito malparado (NPL – Non Performing Loans) unsecured, ou seja, sem garantias.

A Whitestar Asset Solutions, uma empresa de gestão de carteiras de crédito e imobiliário com cerca de 10 mil milhões de euros em ativos sob gestão, ficou a gestão de uma carteira de NPL que originalmente era do Santander Totta (portefólio ‘Guincho’ Finance) no valor de 481 milhões de euros, que foi vendido no fim de 2018 à 400 Capital Management (o comunicado não identifica o dona da carteira de NPL) e que tinha como servicers a Whitestar Asset Solutions, a Hipoges e a Altamira.

A Altamira saiu e a Whitestar substitui a Altamira como servicer.

A carteira de crédito non-performing unsecured, que vai ser gerida pela Whitestar é composta por mais de 3.700 créditos, cerca de 1.300 devedores e um valor em dívida que ultrapassa os 200 milhões de euros.

“Esta carteira estava a ser gerida por um servicer concorrente e, acima de tudo, é mais um sinal importante da confiança do mercado na qualidade dos nossos  serviços”, explica João Bugalho, managing director de Asset Managment do sul da Europe na Arrow Global e CEO da Whitestar Asset Solutions.

A gestão da nova carteira tem efeitos a 1 de maio. “Trata-se de um portefólio que integra a carteira Guincho, a segunda titularização pública de NPL realizada em Portugal, cuja gestão tinha sido dividida por três servicers: Whitestar – Individual Secured; Hipoges – Corporate Secured e Altamira – Unsecured”, diz o comunicado.

João Bugalho acrescenta ainda que “esta notícia ganha ainda maior relevo por tratar-se de uma carteira integrada numa titularização pública com rating”.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários