Wikileaks. Julian Assange viu o seu pedido de libertação sob fiança negado

O fundador da WikiLeaks, que se encontra privado da sua liberdade desde 2012, tentou dar seguimento à importante vitória que obteve quando viu negada a sua extradição do Reino Unido para os Estados Unidos, onde é acusado de 18 crimes ligados a espionagem, mas viu as suas pretensões negadas.

Depois de conseguir evitar a extradição para os EUA, Julian Assange viu esta quarta-feira o seu pedido de libertação ser negado, depois de ter submetido um pedido para que lhe fosse permitido regressar à liberdade mediante o pagamento de uma fiança.

A juíza responsável pelo processo justificou a decisão com o perigo de fuga do arguido, argumentando que havia o risco plausível de que Assange não comparecesse mais em tribunal para as restantes audiências.

Assange, de nacionalidade australiana, que enfrentava 18 acusações por espionagem e conspiração para cometer ataque informático, procura agora a liberdade ao fim de oito anos de encarceramento, primeiro na Embaixada do Equador em Londres, onde esteve exilado até abril de 2019, e depois numa prisão de segurança máxima naquela cidade.

Apesar de ter visto o pedido americano de extradição recusado, a Assange também foi já negada fiança pela mesma juíza, que alega preocupações com a saúde mental do fundador da WikiLeaks, que classifica como de elevado perigo de suicídio.

O processo nos EUA prendia-se com a divulgação de centenas de milhares de documentos classificados ligados à defesa e à diplomacia norte-americanas. Os admiradores de Assange consideram-no um ativista pela liberdade de imprensa e por expor práticas condenáveis de várias missões americanas, enquanto que os seus críticos o acusam de ser uma marioneta política, em parte pela divulgação pela WikiLeaks dos mails de Hillary Clinton meras semanas antes da eleição de 2016.

[notícia atualizada às 12h02]

Recomendadas

Erdogan sugere que pode aprovar candidatura da Finlândia à NATO

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sugeriu este domingo que a Turquia pode aprovar a candidatura da Finlândia à NATO sem fazer o mesmo em relação à Suécia.

Israel prepara-se para demolir casa de atacante palestiniano

As forças israelitas selaram este domingo a casa da família de um palestiniano que matou sete pessoas, preparando a sua demolição, após o governo ter anunciado medidas para punir familiares dos autores de atentados.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários