XVIII Congresso do CDS Madeira decorre hoje e domingo no Funchal

O XVIII Congresso do CDS-PP/Madeira decorre este sábado e domingo no Funchal, devendo Rui Barreto ser reeleito para a liderança do partido que integra a coligação que governa a região juntamente com o PSD.

A sessão de abertura está marcada para as 15:00, com os discursos do secretário-geral do CDS-PP, Pedro Morais Soares, e do presidente da concelhia do Funchal, Gonçalo Pimenta.

Seguem-se um conjunto de apresentações e a discussão da moção de estratégia global, intitulada ‘A Direita da Madeira’ e que tem como principal subscritor o candidato Rui Barreto, e das seis moções de estratégia setoriais.

No domingo, o congresso arranca às 09:00 com o anúncio das listas aos órgãos do CDS-PP Madeira, respetiva votação e divulgação dos resultados eleitorais.

No encerramento, contam-se as intervenções finais do presidente da comissão política regional do CDS-PP e do presidente dos centristas nacionais, Nuno Melo.

Em comunicado divulgado recentemente pela comissão organizadora do congresso, Rui Barreto afirmava ter como objetivo “continuar a afirmar o CDS como partido de poder, não como fim em si mesmo, mas sim como veículo para a resolução dos problemas da Madeira e dos madeirenses”.

O candidato à liderança dos centristas insulares, que concorre sem adversários, quer que o partido seja um “garante de estabilidade”, com a introdução de “novas ideias e novos modelos na governação da Madeira”.

Rui Barreto, nascido no Funchal em 16 de setembro de 1976, licenciou-se em Gestão de Empresas pelo Instituto Superior de Línguas da Madeira.

Foi presidente da Assembleia Municipal de Santana, vereador na Câmara do Funchal, deputado à Assembleia da República e à Assembleia Legislativa da Madeira.

Atualmente é secretário regional da Economia, do Governo madeirense de coligação PSD/CDS-PP, presidido pelo social-democrata Miguel Albuquerque.

Recomendadas

Metadados, eutanásia e projeto de censura a Santos Silva são temas ‘quentes’ na reabertura do Parlamento em setembro

A despenalização da morte medicamente assistida, a lei dos metadados ou o projeto do Chega para condenar o comportamento do presidente do parlamento são temas que vão marcar o reinício dos trabalhos parlamentares em setembro.

“Centralidade das políticas publicas” está no “futuro da juventude”

A ministra-adjunta e dos Assuntos Parlamentares defendeu esta sexta-feira que a “centralidade das políticas públicas” está no “futuro da juventude” e salientou que é “absolutamente essencial” colocar os jovens como “líderes da comunidade” para combater populismos.

PCP diz que problema de falta de professores “não se resolveu”

O PCP anunciou esta sexta-feira que vai reapresentar a sua proposta para a gratuitidade progressiva das fichas de exercícios escolares e considerou que o problema de falta de professores “não se resolveu”.
Comentários