Yellen diz que pandemia e invasão da Ucrânia criam condições para choques económicos

Num discurso na Brookings Institution, Yellen analisou as lições aprendidas com as crises económicas do passado e disse que os países precisam de “remédios para a recessão” para proteger os cidadãos.

Carlos Barria/Reuters

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse esta quinta-feira que a pandemia global e a invasão da Ucrânia pela Rússia criam condições para a possibilidade de grandes choques económicos no futuro.

Num discurso na Brookings Institution, Yellen analisou as lições aprendidas com as crises económicas do passado e disse que os países precisam de “remédios para a recessão” para proteger os cidadãos.

Segundo a secretária do Tesouro, os políticos aprenderam com a Grande Recessão que é imperativo sair das crises económicas “o mais rápido possível”.

“Os países irão sair-se melhor se as suas economias forem mais resilientes e menos frágeis”, disse.

Para Yellen, uma melhor compreensão dos problemas nas cadeias de abastecimento, dos aumentos dos preços das matérias-primas, de bolhas no valor dos ativos e dos choques do trabalho e da produtividade ajudará os políticos “a implementar reformas que reforçam a resiliência económica”.

Os últimos anos foram marcados pela crise pandémica que levou as administrações dos Estados Unidos, lideradas por Trump e Biden, a dar estímulos de biliões de dólares à economia, que os economistas consideram ter contribuído para a inflação atingir os níveis mais altos em quatro décadas.

Já recentemente, a guerra na Ucrânia tem grandes impactos nos preços globais de energia e dos alimentos, além de em outras ‘commodities’ (matérias-primas).

Recomendadas

Biden lamenta “crise de fé” e desafia jovens contra divisão e ódio nos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lamentou este sábado a divisão e o ódio no país, que sofre uma “crise de fé” nas instituições, e desafiou os jovens a trabalharem para curar as feridas da nação.

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

PremiumDavos discute globalização na era da desglobalização

Depois da pandemia e da guerra na Ucrânia, a globalização nunca mais será a mesma. Na Suíça, os líderes mundiais tentaram descobrir como será o futuro, com todas as fronteiras e limites que as crises estão a criar.
Comentários