Youtube vai começar a monitorizar vídeos para crianças com menos de oito anos

O Youtube aconselha os pais a reportarem que um vídeo é inapropriado, através das ferramentas no site, para que o vídeo seja analisado e removido.

Depois de ter sido condenado a pagar 170 milhões de euros por não respeitar a lei da privacidade online para as crianças, o Youtube anunciou que vai começar a monitorizar todos os vídeos destinados a crianças com menos de oito anos, segundo a Bloomberg.

Durante o ano de 2019 várias foram as queixas recebidas pela empresa-mãe, a Google, de que a plataforma de vídeos para crianças – Youtube Kids – teria conteúdo inapropriado para crianças, e que esse mesmo conteúdo esteve presente na plataforma durante vários meses sem que nada acontecesse.

As queixas deram origem ao processo que obrigou o Youtube a pagar 170 milhões de euros à Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos.

Entre as soluções em cima da mesa, o Youtube chegou mesmo a considerar criar uma equipa de 40 pessoas para inspecionar os milhares de vídeos individualmente, mas a presidente executiva da empresa, Susan Wojcicki impediu o plano, segundo fontes da Bloomberg.

Uma das medidas mais significativas que foi posta em prática, foi a desativação da secção de comentários em milhões de vídeos, que teve como consequência uma diminuição da percentagem de visualizações (80%), enquanto que os vídeos de fontes fidedignas aumentaram 60%.

Ainda assim o Youtube não anunciou mais medidas, porque consideram que seja impossível monitorizar as dezenas de milhões de vídeos presentes na plataforma. Por hora, são carregadas 500 horas de vídeo para a plataforma, o que torna virtualmente impossível a monitorização individual de cada vídeo.

A solução atual é utilizar o mesmo algoritmo que impede a publicidade de aparecer em vídeos considerados inapropriados, e aplicá-los aos vídeos destinados a crianças. O Youtube aconselha também que, caso os pais reparem que um determinado vídeo é inapropriado, reportem através das ferramentas disponíveis na plataforma, para que o vídeo seja analisado e removido.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários