Zelensky acusa Kremlin de tentar “humilhar a ONU” ao atacar Kiev durante a visita de Guterres à capital

Kiev foi alvo esta quinta-feira de pelo menos dois bombardeamentos por parte das forças russas enquanto decorre a visita do secretário-geral da ONU.

Volodymyr Zelensky/Twitter

Volodymyr Zelensky considera que a Rússia tentou “humilhar a ONU e tudo o que a organização representa” ao concretizar uma série de ataques a Kiev ontem, quinta-feira, quando António Guterres se encontrava em território ucraniano.

As declarações foram proferidas num discurso em vídeo ontem à noite, no qual o presidente ucraniano denuncia que os ataques ocorreram “imediatamente após” as suas conversações com o chefe da ONU.

“Isto diz muito sobre a verdadeira atitude da Rússia em relação às instituições globais”, afirmou Zelensky, defendendo que os ataques merecem uma resposta “apropriada e forte”.

De acordo com o governante, os ataques noutras cidades do país, como Fastiv e Odessa “mais uma vez provam que não podemos baixar a guarda”.

“Ainda temos de expulsar os ocupantes”, continuou Zelensky.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou estar “chocado” após ter sido informado que a capital ucraniana tinha sido atingida por bombardeamentos russos no início da noite.

“Estamos seguros”, disse na altura Saviano Andreu, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês).

“É uma zona de guerra, mas é chocante que tenha acontecido perto de onde a delegação de Guterres está”, disse Andreu à agência France-Presse (AFP).

Kiev foi alvo esta quinta-feira de pelo menos dois bombardeamentos por parte das forças russas enquanto decorre a visita do secretário-geral da ONU.

Os correspondentes da AFP viram no local um edifício em chamas, janelas partidas, uma forte presença policial e socorristas. O presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko, confirmou no Telegram “dois ataques” a um dos distritos da capital.

A Ucrânia classificou como um “ato hediondo de barbárie” os bombardeamentos a Kiev enquanto decorria a visita do secretário-geral das Nações Unidas. “Com este ato hediondo de barbárie, a Rússia mais uma vez demonstra a sua atitude em relação à Ucrânia, à Europa e ao mundo”, salientou o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kouleba, através da rede social Twitter.

 

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários