Zelensky avisa que “milhões” vão passar fome com bloqueio russo aos portos ucranianos

Zelensky considerou que o mundo está à beira de uma “terrível crise alimentar”, com a Ucrânia incapaz de exportar grandes quantidades de trigo.

Volodymyr Zelensky/Twitter

Milhões de pessoas podem morrer de fome por causa do bloqueio da Rússia aos portos ucranianos do Mar Negro, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky esta quinta-feira, segundo a “Reuters”

Em comunicado Zelensky referiu que o mundo está à beira de uma “terrível crise alimentar”, com a Ucrânia incapaz de exportar grandes quantidades de trigo, milho, petróleo e outros produtos que desempenham um “papel estabilizador no mercado global”.

“Isso significa que, infelizmente, pode haver uma escassez física de produtos em dezenas de países ao redor do mundo. Milhões de pessoas podem morrer de fome se o bloqueio russo ao Mar Negro continuar”, disse o presidente ucraniano.

Zelensky destacou ainda que “enquanto procuramos maneiras de proteger a liberdade, outra pessoa está a destrui-la, outra pessoa continua a chantagear o mundo com fome”.

A Rússia conquistou grande parte da costa da Ucrânia em quase 15 semanas de guerra e os seus navios de guerra controlam os mares Negro e Azov, bloqueando as exportações agrícolas da Ucrânia e elevando o custo dos grãos.

A Ucrânia e o Ocidente acusam Moscovo de criar uma crise alimentar. Por sua vez, a Rússia diz que as sanções internacionais contra Moscovo são as culpadas.

Um mês antes da guerra começar a 24 de fevereiro, a Ucrânia exportou até 6 milhões de toneladas de grãos por mês. Desde então, os volumes caíram para cerca de 1 milhão de toneladas mensais, dado que a Ucrânia, que costumava exportar a maior parte dos produtos através de portos marítimos, foi forçada a transportar grãos de comboio pela fronteira ocidental ou pelos pequenos portos do rio Danúbio.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários