Zelensky nega que Lisichansk esteja sob controlo russo

Ocupar Lisichansk, na zona leste da Ucrânia, permitiria ao Kremlin controlar toda a região de Lugansk, assim como avançar sobre as já ameaçadas cidades de Sloviansk e Kramatorsk, duas importantes cidades controladas pela Ucrânia na zona industrial do Donbass.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou que é “impossível” dizer que Lisichansk esteja sob controlo russo, assegurando que os combates continuam na periferia da cidade que Moscovo já disse ter capturado.

“Há combates nos subúrbios” da cidade, acrescentou o Presidente ucraniano, durante uma conferência de imprensa com o primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, em Kiev.

Ocupar Lisichansk, na zona leste da Ucrânia, permitiria ao Kremlin controlar toda a região de Lugansk, assim como avançar sobre as já ameaçadas cidades de Sloviansk e Kramatorsk, duas importantes cidades controladas pela Ucrânia na zona industrial do Donbass.

“Há riscos de que a região de Lugansk fique completamente ocupada. Há riscos e nós compreendemos isso”, acrescentou Zelensky, referindo que Lisichansk representa “a maior e mais perigosa situação” para a Ucrânia.

O Presidente ucraniano admitiu que Kiev não tem “vantagem” naquela cidade.

“É o nosso ponto fraco, mas noutros locais estamos a avançar”, frisou.

Hoje, o ministro da Defesa russo disse que o exército russo controlava agora toda a região do Lugansk, após a conquista de Lisichansk, cidade que tem sido palco de combates intensos entre as duas forças.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de oito milhões de pessoas, das quais mais de 6,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

Recomendadas

TAP. Sindicatos acusam gestão de colocar empresa em “rota de colisão”

Os sindicatos que hoje promoveram um protesto com cerca de 1.000 trabalhadores da TAP entregaram um manifesto no Ministério das Infraestruturas, endereçado a Pedro Nuno Santos, onde acusam a gestão de colocar a empresa em “rota de colisão”.

Ministério das Infraestruturas assegura que está atento às “reivindicações e apelos expressos dos trabalhadores da TAP”

Contudo, o ministério liderado por Pedro Nuno Santos defende que “é preciso não esquecer que a companhia aérea atravessa ainda aquele que é o momento mais desafiante da sua história”, aludindo aos efeitos da pandemia no sector. 

TAP: Várias centenas de trabalhadores protestam pela melhoria do serviço (com áudio)

Várias centenas de trabalhadores da TAP, entre pilotos, tripulantes de cabine e técnicos de manutenção, manifestam-se hoje, em Lisboa, numa marcha silenciosa até ao Ministério das Infraestruturas, pela melhoria da qualidade do serviço e sustentabilidade da empresa.
Comentários