Zurich perdeu 550 milhões de dólares no terceiro trimestre

A seguradora suíça Zurich Insurance Group indicou hoje que registou prejuízos de quase 550 milhões de dólares (sensivelmente o mesmo em euros) no terceiro trimestre, devido ao impacto de catástrofes naturais, como o furacão Ian nos Estados Unidos.

A seguradora suíça Zurich Insurance Group indicou hoje que registou prejuízos de quase 550 milhões de dólares (sensivelmente o mesmo em euros) no terceiro trimestre, devido ao impacto de catástrofes naturais, como o furacão Ian nos Estados Unidos.

Em comunicado, o diretor financeiro do grupo, George Quinn, reconheceu que, apesar do impacto do Ian, a Zurich “continua no caminho para superar os seus objetivos estratégicos e financeiros para o ciclo 2020-2022” e afirmou que a posição de capital do grupo é “excelente” e o seu rendimento “forte”.

Por segmentos, os prémios de seguros por danos foram os que tiveram um maior crescimento nos primeiros nove meses (8%) em comparação com o mesmo período do ano anterior, ultrapassando os 33.000 milhões de dólares.

Quanto a seguros de vida, o volume de novas operações cresceu 2% em relação ao ano anterior, mas o valor de novas operações desceu 11% devido à atualização dos modelos e à subida das taxas de juro, indicou a quinta maior seguradora europeia.

De janeiro a setembro, a empresa suíça adicionou 1,1 milhões de clientes de retalho ao seu portefólio.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários