Zurich Portugal nomeia Helene Westerlind como CEO

O histórico CEO da seguradora, António Bico, permanece como Conselheiro Estratégico. Helene Westerlind assumirá formalmente as suas novas funções no outono deste ano após autorização da ASF.

Helene Westerlind foi nomeada CEO da Zurich em Portugal, avança a seguradora em comunicado.

A gestora tem vindo a ocupar vários cargos de liderança global, regional e nacional e vai suceder a António Bico, que, depois de uma longa carreira na Zurich, decidiu deixar o cargo de CEO, permanecendo como Conselheiro Estratégico.

Helene Westerlind assumirá formalmente as suas novas funções no outono de 2022, estando a sua nomeação sujeita à aprovação regulamentar. Isto é, aguarda luz ver da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Atualmente, Helene Westerlind é CEO da Zurich LiveWell, negócio de saúde digital e bem-estar do Grupo Zurich, que “oferece serviços físicos, mentais, sociais e financeiros a mais de 1 milhão de clientes, em 16 países, em 3 regiões do mundo”.

Anteriormente, Helene Westerlind ocupou vários cargos de liderança no Grupo Zurich tais como Global Head of International Program Business, EMEA Head of Operations & Underwriting Services e Head of Underwriting Services, primeiro para os países nórdicos e, depois, para a Europa.

“A nomeação da Helene é um exemplo fantástico da força e qualidade de talento que temos disponíveis na Zurich. Ela traz consigo uma mistura única de experiência nacional, regional e global, que tem vindo a adquirir na Zurich ao longo de quase 20 anos”, refere Alison Martin, Chief Executive Officer da Europa, Médio Oriente & África (EMEA) e Distribuição Bancária do Grupo Zurich.

Alison Martin acrescenta que “no seu notável tempo com a Zurich, o António Bico desenvolveu equipas e projetos em todo o negócio, potenciando a forma como protegemos e inovamos para os nossos clientes”.

 

Recomendadas

Oitante antecipa pagamento integral de empréstimo obrigacionista de 746 milhões. Estado poupa 110 milhões em juros

O reembolso antecipado da dívida da Oitante “faz cessar as responsabilidades do Fundo de Resolução e do Estado Português relativamente a essa dívida, permite importantes poupanças financeiras e faz perspetivar a recuperação de uma parte significativa dos 489 milhões de euros desembolsados pelo Fundo de Resolução, em 2015, no financiamento da resolução do Banif”, diz BdP.

Exposição a imobiliário comercial continua a ser proeminente nos bancos, diz DBRS

A divulgação das exposições a imobiliário comercial da banca permanece geralmente limitada na Europa, no entanto, “reconhecemos que, nos últimos anos, os reguladores e supervisores aumentaram o nível de escrutínio, harmonização e transparência”, diz a DBRS.

BCE quer evitar que bancos beneficiem da arbitragem de juros com o financiamento barato obtido na pandemia

Segundo o Financial Times, o BCE vai analisar como é que vai bloquear o acesso dos bancos a este financiamento que é subsidiado e que, segundo os analistas contactados pelo FT, poderá gerar lucros extraordinários de 24 mil milhões de euros para o sector.
Comentários