Imprensa

Um em cada dez portugueses na internet lê jornais ou revistas no WhatsApp

90% dos utilizadores de internet em Portugal usam o WhatsApp e um em cada dez admite receber e ler jornais ou revistas na aplicação, concluiu um estudo da Netsonda feito online. Nos últimos anos tem vindo a intensificar-se esta “pirataria”, que em muito lesa as editoras e o Estado.

O vírus libertário

Talvez fosse benéfico remédio para os tories relerem os pensadores conservadores da velha guarda, de que parecem estar esquecidos, para que se restabeleçam dos males que o vírus libertário que lhes causou.

Centro de Competências para os Media lançado na Universidade de Aveiro

O projeto tem como objetivo promover o jornalismo de alta qualidade alavancado por ecossistemas digitais. O protocolo é assinado esta quinta-feira, 16 de dezembro e envolve a UA, a Associação Portuguesa de Imprensa, o PCI – Creative Science Park e conta com apoio da Google.

O fabuloso destino de Hergé

Se leu e releu os livros do Tintim, parta agora à descoberta dos talentos menos conhecidos do pai da BD europeia. Senhoras e senhores, “Hergé”, a partir de 01 de outubro, na Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

Clientes e clientelas

É pena que os apologistas da tese do OE para servir “clientes/clientelas” do PCP nunca se lembrem dos clientes/clientelas quando PS, PSD e CDS baixam a taxa do IRC ou alargam e engordam os benefícios fiscais.

Impresa: expansão do edifício e novos estúdios geram prejuízo de 1,2 milhões de euros no primeiro trimestre

No trimestre, as receitas consolidadas da empresa liderada por Francisco Pedro Balsemão atingiram 40,7 milhões de euros, mais 4,8% do que um ano antes, “potenciado pelo crescimento das receitas publicitárias”.

SIC planeia abrir um hotel no próximo ano

A estação de televisão quer aventurar-se no mundo da hotelaria e fecha parceria com a Blueshift.

O impresso e o digital: O que não se perde, transforma-se

Cada um com as suas potencialidades, cada qual com a sua versão de utopia. A comunicação é mesmo isso, a capacidade que temos de informar, contar histórias e inspirar através de vários formatos, meios e linguagens.

A disparidade na cobertura mediática do terrorismo islâmico e do terrorismo de extrema-direita

Atentados cometidos por muçulmanos obtêm uma cobertura da imprensa dos EUA cerca de 357% superior à dos atentados cometidos por não-muçulmanos. Como é que se explica esta disparidade que também se verifica na generalidade dos meios de comunicação social ocidentais? E porque é que se distingue entre “terrorismo” e “distúrbio psicológico” mediante a raça, etnia ou religião do perpetrador?
Ver mais artigos