Luís Menezes Leitão

“Temos sérios problemas de separação de poderes na Justiça”. Ouça Luís Menezes Leitão no “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Ouça a entrevista ao advogado Luís Menezes Leitão, na semana na qual deixou de ser bastonário da Ordem.

“Temos sérios problemas de separação de poderes na Justiça”. Luís Menezes Leitão em “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista ao advogado Luís Menezes Leitão, na semana em que deixou de ser bastonário da Ordem.

Lisbon Law Summit. Advogados defendem novas regras de acesso à profissão

O Bastonário, Luís Menezes Leitão defendeu que a formação académica para o exercício da advocacia seja idêntica à exigida para aceder à magistratura. O antigo Bastonário, Rogério Alves, propôs a criação de um ciclo de estudos que habilite a entrada na Ordem.

Governo diz que limites à circulação na Área Metropolitana de Lisboa estão protegidos por Lei de Bases

Questionado sobre a constitucionalidade da medida aplicada na AML, António Lacerda Sales reforçou que, neste momento, não se coloca a questão da inconstitucionalidade da medida porque está “protegida” pela Lei de Bases da Proteção Civil.

A náusea…

Se a inércia de quem nos devia representar não tem o condão de ser inovadora, a desfaçatez com que abandona os seus pares causa-me náuseas.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Bastonário desafia Ana Gomes a apresentar uma participação disciplinar sobre advogados que participem em esquemas de transferências para offshore

A ex-eurodeputada questionou sobre se a Ordem dos Advogados verifica se os escritórios dos advogados cumprem com o dever de recusarem a prestação de serviços sempre que suspeitarem de uma operação que vise a obtenção de resultados ilícitos. Luís Menezes Leitão vincou que “a Ordem não tem condições para analisar todos e quaisquer processos que ocorram no país para se saber se em algum deles deveria ter sido recusado o patrocínio”.
Ver mais artigos