mandato

Novo Banco nega “divergências estratégicas” na administração

Na sequência de uma notícia publicada na semana passada pelo Jornal Económico, sobre a saída dos administradores Vítor Fernandes, José Eduardo Bettencourt e Jorge Cardoso, o jornal ‘Público’ avança hoje com uma notícia em que justifica essa decisão com a existência de “um profundo debate de ideias” no seio da administração liderada por António Ramalho, que foi reconduzido no cargo esta semana.

Atual direção da Portugal Fresh renova mandato até 2022

As prioridades deste organização para o triénio 2020/2022 irão centrar-se no aumento do consumo interno, na consolidação e crescimento das exportações e na sustentabilidade.

Jorge Monteiro assume presidência da ACIBEV

Na eleição dos órgãos sociais para o mandato 2020/2023, António Soares Franco mantém-se como presidente da Mesa da Assembleia Geral da associação, em representação da José Maria da Fonseca, enquanto João Roquette, em representação do Esporão, assumiu a presidência do Conselho Fiscal.

Eduardo Oliveira e Sousa reeleito para novo mandato à frente da CAP

Segundo este responsável, “a agricultura foi um dos motores da recuperação económica da crise que julgávamos ter deixado para trás”.

Marcelo quatro anos depois

Marcelo fez campanha eleitoral todos os dias. Como continuará a fazer, durante a segunda parte do seu mandato de dez anos. Junto das pessoas e além do que disserem os seus detratores.

Não há coincidências…

O que antes era criticado, em especial pelo Senhor Bastonário da OA quando estava na oposição, hoje não apenas é praticado como publicitado. Não há coincidências. Quando muito, repetições.

António Laranjo mantém-se como presidente da IP até 2020

A única novidade da assembleia geral da IP foi o alargamento do número de administradores da IP, com a entrada para o conselho de administração de Alexandra Barbosa, na qualidade de vogal.

Diogo Freitas do Amaral: “Marcelo está a exercer o mandato através das televisões”

O político e jurista acaba de publicar “Da Lusitânia a Portugal – Dois mil anos de história”, cujo limite é o ano de 1982. À margem de uma entrevista ao DN sobre a obra, disse que o atual Presidente da República continuará a ser um governante ativo.

Carlos Costa: “Defendo que o governador devia ser nomeado pelo Presidente”

O governador do Banco de Portugal defende a atribuição de um mandato único de oito anos no Banco de Portugal e afirma que o presidente do conselho de auditoria devia ser nomeado pela Assembleia da República.
Ver mais artigos