Rodrigo Rato

Antigo diretor do FMI condenado a 4,5 anos de prisão

Tribunal deu como provadas as acusações que pendiam relativamente à apropriação indevida de património de dois bancos dos quais era presidente.

Ex-FMI lesou o Estado espanhol em 6,8 milhões de euros

Durante sete anos Rodrigo Rato facturou 14 milhões que não declarou ao Fisco. A sua principal fonte de rendimento, após ter deixado o FMI, foram as conferências, onde a sua presença como orador lhe valeu cerca de 65 mil euros por cada uma.