1,2 milhões de moedas: Herança em cêntimos levou seis meses a ser contada

Moedas de um e dois cêntimos de marco, moeda anterior ao euro, levaram seis meses a contar. A história passa-se na Alemanha.

Grão a grão enche a galinha o papo… o popular ditado bem se poderia aplicar a esta história passada em Bremervörde, Rotenburg, no estado da Baixa Saxónia, Alemanha, e contada pelo jornal “NDR”: quando morreu, um homem, camionista de profissão, deixou à família um “senhor” mealheiro, feito de  moedas de um e dois cêntimos de marco, a moeda vigente na Alemanha antes do euro.

A coleção, feita ao longo de três décadas, foi levada em maio pela família para a filial do Bundesbank em Oldenburg. As moedas embaladas em centenas de sacos pesavam 2,5 toneladas e representavam um enorme desafio, dado que havia que contá-las.

Wolfgang Kemereit, da filial do banco central de Oldenburg, foi encarregado da tarefa. Durante nada menos do que seis meses contou… 1,2 milhões de moedas, que convertidas para a moeda atual renderam 8 mil euros.

Segundo o Bundesbank, em toda a Alemanha, existem ainda cerca de 12,65 mil milhões de marcos alemães, isto é, 5% do dinheiro que estava em circulação no momento da introdução do euro no dia 1 de  janeiro de 2002. Só na sucursal do Bundesbank de Oldenburg, há, em média, 13 pessoas por dia a trocar uma média de 490 marcos.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Novo mecanismo de ‘financiamento verde’ para África faz primeiro negócio de 100 milhões

O Fundo de Liquidez e Sustentabilidade (LSF), criado pela UNECA e pelo Afreximbank, fez o seu primeiro negócio de 100 milhões de dólares, potenciando as emissões de dívida pública ‘verde’ dos países africanos, incluindo Angola.

China diz que repórter da BBC preso “não se identificou como jornalista”

A China disse hoje que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e “espancado” pela polícia.
Comentários