Ações dos CTT disparam após apresentação do plano de reestruturação

Os investidores estão agradados com o plano de reestruturação apresentado pelo operador postal esta segunda-feira e que inclui cortes de 25% nos salários dos gestores e a redução de 800 postos de trabalho nas operações

As ações dos CTT reagem de forma positiva ao plano de reestruturação anunciado esta segunda-feira: abriram a disparar quase 11 % e após a primeira hora de negociação sobem 6,18% para os 3,71 euros.

A reação inicial dos analistas também foi positiva. “Iremos analisar o novo plano estratégico com mais pormenor embora nos pareça numa análise preliminar que o mercado iria apreciar mais medidas de incremento de receitas do que iniciativas que privilegiem o corte de custos, com o objetivo de procurar incorporar o mesmo na nossa avaliação da empresa”, referiram os analistas do Caixa BI no Equity Daily.

O plano de reestruturação apresentado pelo operador postal inclui cortes de 25% na remuneração fixa do Presidente do Conselho de Administração e do CEO, 15% de redução para os restantes membros executivos e não executivos do Conselho de Administração em 2018, a ausência de remuneração variável para a Comissão Executiva referente a 2018 e 2017 e a redução de cerca de 800 postos de trabalho nas operações ao longo de três anos, em consequência da queda do tráfego do correio.

Relacionadas

CTT corta salários de gestores e suspende prémios de gestão até 2018

A austeridade chegou à gestão dos CTT. O plano de transformação operacional (2018-2019) implica um corte na remuneração da administração. Limitação a aumentos salariais dos trabalhadores e forte redução da remuneração variável dos colaboradores.

CTT investem 5 milhões para serem ‘player’ ibérico de referência

Empresa tem 51% do mercado nacional e quer ter implantação ibérica. É esse o foco para 2018 e foi por isso que os investimentos foram feitos.
Recomendadas

Supervisor do BCE insta bancos a prepararem-se para “impactos adversos” (com áudio)

O presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, instou hoje os bancos da zona euro a preparem-se para “impactos adversos”, admitindo uma “possível recessão” devido à vulnerável situação económica, exacerbada pela crise energética.

PremiumOrçamento da câmara de Caminha não prevê 300 mil euros de rendas a devolver

O presidente da câmara pediu a devolução de 300 mil euros pagos ao promotor de centro de exposições. Mas verba não está prevista no orçamento. Oposição diz que edil não tem esperanças de receber.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.
Comentários