A Belém não chegou “nada de específico, de concreto” sobre a Raríssimas

O Presidente da República afirmou que é preciso “deixar com serenidade fazer a investigação e com celeridade, isto é, com rapidez, e esperar pelas conclusões”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República afirmou esta segunda-feira que ao Palácio de Belém não chegou “nada de específico, de concreto” sobre eventuais irregularidades ou ilegalidades na associação Raríssimas, das quais só teve conhecimento pela reportagem de sábado na TVI.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas no final de uma conferência sobre agricultura, num hotel de Lisboa, voltou a defender que se impõe “uma investigação exaustiva” e referiu que “essa investigação foi assumida pelo senhor ministro” da Segurança Social, Vieira da Silva.

Questionado se chegou ao Palácio de Belém algum tipo de denúncia ou queixa sobre a Raríssimas, o chefe de Estado respondeu: “A Belém não chegou nada de específico, de concreto relativamente ao que se passava em termos de ilegalidade. E, portanto, digamos assim, os dados concretos vieram a ser conhecidos por todos nós quando foram objeto de um programa de televisão”.

“Não tinha conhecimento de irregularidades ou ilegalidades específicas ou concretas que pudessem ser apontadas. Passei a conhecê-las quando vi o programa de televisão, às tantas da noite”, reforçou.

Interrogado se lhe chegou algum tipo de queixa ou denúncia mais genérica, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma pausa e, em seguida, declarou: “Daquilo que eu vi no programa, houve quem se dirigisse a instituições e depois ao Governo, não sei exatamente com que teor de dados concretos. E, depois, os dados concretos são conhecidos por todos no programa televisivo”.

Os jornalistas perguntaram-lhe, então, se teve conhecimento de algum rumor, ao que respondeu que “o Presidente da República não comenta rumores”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a Raríssimas é “uma instituição com peso nacional e internacional, uma instituição sujeita a fiscalização do Estado e financiada pelo Estado”, pelo que “faz todo o sentido que haja uma investigação completa, exaustiva, rigorosa relativamente ao que possa ter havido ou não de ilegalidade na sua gestão”.

O chefe de Estado não quis fazer mais comentários sobre este assunto e considerou que é preciso “deixar com serenidade fazer a investigação e com celeridade, isto é, com rapidez, e esperar pelas conclusões”.

O canal televisivo TVI divulgou no sábado uma reportagem sobre a gestão da Raríssimas, Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras, na qual mostrou documentos que colocam em causa a sua gestão, nomeadamente da sua presidente, Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro na compra de vestidos e vários gastos pessoais.

Hoje, foi anunciado que o Ministério Publico está a investigar o caso, após uma denúncia anónima relativa a alegadas irregularidades na gestão financeira e ao uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, negou hoje que já tinha conhecimento de denúncias de gestão danosa da associação Raríssimas e anunciou uma ação de inspeção à entidade, a começar nos próximos dias.

“Nem eu nem a minha equipa tivemos qualquer informação sobre denúncias de gestão danosa pela associação Raríssimas. Nunca foi entregue a mim ou ao Instituto de Segurança Social denúncias sobre uma eventual gestão danosa”, disse Vieira da Silva, acrescentando que as informações recebidas foram sobre alegadas irregularidades estatutárias e não “atos de gestão danosa”.

A Raríssimas recebeu vários apoios financeiros do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O ministro anunciou a realização de uma inspeção à instituição, pela Inspeção-Geral do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, com caráter “urgente, rigoroso e exigente”, a começar nos próximos dias, e que irá “avaliar todas as dimensões da gestão”, da equipa dirigida por Paula Brito e Costa, alvo de uma ação de fiscalização desde 31 de julho.

Relacionadas

Raríssimas: Petição a exigir demissões já tem mais de 4.200 assinaturas

Petição surge na sequência da reportagem da TVI que acusou a presidente da associação de se apropriar de verbas oriundas de donativos para financiar os seus gastos privados.

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

Vieira da Silva foi vice-presidente da Assembleia-Geral da Raríssimas

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, entre 2013 e 2015.

Deputado do PSD já não vai tomar posse como vice da Raríssimas

Ricardo Baptista Leite ia assumir funções de vice-presidente da Raríssimas, mas voltou atrás na decisão devido às acusações de má gestão da instituição. Em declarações ao Observador, o deputado afirmou que não existem neste momento condições.

Ministra da Justiça diz que é possível haver mais controlo sobre dinheiros públicos

“É sempre possível fazer mais, é sempre possível exigirmos mais. Mais controlo, mais rigor, mais auditorias, mas procuramos ter, do ponto de vista de controlo e fiscalização dos dinheiros públicos, os mecanismos adequados”, afirmou Francisca Van Dunem à margem da conferência “O Combate à Fraude e à Corrupção”, quando questionada sobre a reportagem da TVI sobre a Associação Raríssimas

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

CNE diz que propaganda política é “livre” e vê possível crime da Câmara de Lisboa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera que a atividade de propaganda política é “livre” em locais públicos e que a retirada de ‘outdoors’ em Lisboa por parte da Câmara Municipal pode constituir crime.

“A habitação é um drama no nosso país”, alerta Bloco de Esquerda

Mariana Mortágua destacou, no Parlamento, que “constatar que a subida das taxas juros” na habitação está já a “fazer moça não é alarmismo é a nossa responsabilidade”.
Comentários