Especial 2018: A Coreia do Norte vai continuar a ser um problema internacional?

Tudo indica que sim, que o país liderado por Kim Jong-Un continuará a ser um polo de tensão no sistema internacional, que será obrigado a concertar respostas à pressão belicista da Coreia do Norte e ao risco que constitui um Estado pária com acesso a armamento nuclear.

O próximo ano não trará, provavelmente, de alívio na escalada de tensão entre Pyongyang e Waashington, que atingiu proporções históricas neste ano de 2017, com o aumento de testes de mísseis de longo alcance norte-coreanos e com uma série de declarações das duas partes, ao jeito de bravata.

Se é certo que a liderança de Kim Jong-Un é marcada pela imprevisibilidade, também é certo que dirigente máximo norte-coreano não pretende quebrar a estratégia de desenvolvimento de uma arma nuclear com capacidade para atingir os EUA, mantendo latente a ameaça de provocar danos sérios, que constitui o principal trunfo negocial. São, por isso, expectáveis novos testes de mísseis.

E se é necessário seguir Kim Jong-Un com atenção, dada a imprevisibilidade do ditador norte-coreano, a verdade é que o presidente norte-americano, Donald Trump, também tem sido imprevisível, mais nas plavra do que nos atos, o que torna provávela continuação da guerra de palavras que marcou as relações entre os dois países.

Para já, foram reafirmadas as sanções impostas ao regime da Coreia do Norte e até a Rússia tem clamado por negociações que contenham a ameaça norte-coreana. A China tem acompanhado com preocupação a situação, até porque Trump já avisou que estará preparado para usar a força, caso se revele necessário, apesar de não sabermos a os limites desse estado de necessidade.

Relacionadas

Especial 2018: O sistema financeiro nacional vai finalmente estabilizar?

Após vários anos de turbulência, o sistema bancário português deverá prosseguir o processo de normalização que teve lugar em 2017.
Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários