A partir de quinta-feira é possível ficar seis dias em Pequim sem apresentar visto

Medida abrange turistas de 53 países, entre os quais Portugal. Vai facilitar a criação de um “corredor económico” entre Pequim, Tianjin e Hebei, que competirá com os grandes centros económicos de Xangai, Cantão e Hong Kong.

Será possível, a partir de quinta-feira, 28, entrar e permanecer nas províncias chinesas de Pequim, Tianjin e Hebei sem ter de apresentar visto durante seis dias. Segundo a Agência Brasil, a medida das autoridades chinesas abrange turistas de 53 países, entre os quais Portugal.

Turistas provenientes do Reino Unido, Estados Unidos, México, Chile, Brasil, Argentina e de todos os países do espaço Shengen poderão usufruir da nova medida, que visa aumentar o número de visitantes no país.

Pequim e Tianjin já permitiam a entrada sem visto para estadias nunca superiores a três dias.

Segundo a Agência Brasil, que cita o jornal chinês “Diário do Povo”, esta medida serve também para facilitar a criação de um “corredor económico” entre Pequim, Tianjin e Hebei, que competirá com os grandes centros económicos de Xangai, Cantão e Hong Kong.

 

Relacionadas

Xangai fixa limite de população

Com 24 milhões de habitantes, Xangai é atualmente a cidade mais populosa da China.
Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários