A sete dias do prazo final para a saída do Reino Unido, há finalmente acordo para o Brexit

Após meses de duras negociações, há fumo branco na questão do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Apenas sete dias antes do final do prazo, Bruxelas e Londres finalmente chegaram a um entendimento para uma saída ordenada da Grã-Bretanha do bloco europeu.

Após meses de duras negociações, há fumo branco na questão do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Apenas sete dias antes do final do prazo, Bruxelas e Londres finalmente chegaram a um entendimento para uma saída ordenada da Grã-Bretanha do bloco europeu, anunciam várias fontes, incluindo a BBC e a Reuters.

Ambas as partes se mostraram satisfeitas com o acordo, embora obviamente o lado britânico estivesse mais eufórico. Boris Johnson falou no “maior acordo de comércio livre de sempre”, algo que um comunicado emitido por Downing Street havia já sublinhado.

“O acordo é fantástico para famílias e empresas em todas as partes do Reino Unido. Assinamos o primeiro acordo de comércio livre baseado em zero tarifas e zero quotas que jamais havia sido conseguido com a UE”, lê-se no referido comunicado.

Já do lado europeu, a satisfação pelo acordo contrasta com a tristeza pela saída de um aliado como os britânicos do projeto europeu.

“No fim de negociações bem-sucedidas na Alemanha, normalmente sinto alegria. Hoje, devo confessar que me sinto apenas calma, satisfeita e aliviada”, afirmou Ursula von der Leyen na conferência de imprensa desta quinta-feira em que abordou o assunto.

Ainda assim, a líder europeia garantiu que estão salvaguardados os interesses europeus nas questões fraturantes que marcaram os últimos meses de negociações, nomeadamente a garantia de uma competição justa e na política de pescas.

“A UE e o Reino Unido continuarão a trabalhar lado a lado na obtenção dos seus objetivos comuns”, garantiu a presidente da Comissão Europeia, que assegurou também que “as regras e padrões europeus serão respeitados”.

Secundando as declarações da líder europeia, o negociador-chefe do bloco europeu para este processo também se mostrou aliviado, ainda que triste pela saída dos britânicos.

“Hoje é um dia de alívio, mas também de alguma tristeza, quando comparamos o que tínhamos à partida para este processo com o que se segue”, expressou Michel Barnier.

Este acordo conseguido à última hora evita uma saída desordenada do Reino Unido da UE, algo que se temia poderia ter consequências caóticas para ambas as economias, sobretudo pelas profundas ligações comerciais entre os dois blocos. Ainda assim, parece haver mais distância entre as duas economias do que seria expectável aquando da votação que ditou a saída britânica do projeto europeu.

[notícia atualizada às 16h08]

Relacionadas

Brexit. Boris Johnson “muito satisfeito” com acordo que vale mais de 540 mil milhões de euros por ano

Depois de meses de impasse, Boris Johnson mostrou-se satisfeito pelo acordo, que permite ao povo britânico recuperar a sua soberania em vários assuntos, sobretudo económicos, de segurança e jurídicos, ao mesmo tempo que liberta o executivo para se concentrar no combate à pandemia.

Von der Leyen e Barnier falam em “alívio” pelo acordo do Brexit que garante a salvaguarda dos interesses europeus

Depois do anúncio do acordo atingido à última hora para a saída do Reino Unido, quando falta apenas uma semana para o final do prazo para este processo, os representantes do bloco europeu mostraram-se moderadamente satisfeitos, visto que a vitória conseguida na obtenção de um acordo contrasta com a tristeza que causa a saída do aliado britânico.

“Reino Unido permanecerá vizinho e Aliado”. António Costa saúda acordo do Brexit

Poucos minutos depois de se ter tornado público o acordo entre as partes, o primeiro-ministro elogiou os esforços de toda a equipa negociadora da UE pelo “intenso trabalho” e saudou “vivamente” o acordo alcançado com o Reino Unido que vai reger a relação com Bruxelas a partir de 1 de janeiro.
Recomendadas

Pequim admite que Ómicron é menos virulenta e sugere fim de ‘zero covid’

A vice-primeira-ministra chinesa encarregue de supervisionar as políticas de prevenção epidémica reconheceu hoje que o país se encontra numa “situação nova” e que a virulência da covid-19 “está a enfraquecer”, sinalizando o fim da estratégia ‘zero casos’.

Covid-19: “Casa aberta” disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

As pessoas com 60 ou mais anos podem, a partir de hoje, tomar a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e a vacina da gripe na modalidade de “casa aberta”.

Maior cidade do sul da China volta a ser palco de confrontos violentos (com áudio)

Os vídeos mostram manifestantes a arremessar garrafas de vidro e barras metálicas contra as forças de segurança, que surgem a marchar em fileiras, protegidos por escudos antimotim transparentes.
Comentários