Aeroporto do Montijo: Governo volta a defender mudança na lei perante chumbo das autarquias da Moita e do Seixal

“Nenhuma infraestrutura de importância nacional pode ficar dependente de um município”, disse hoje o ministro das Infraestruturas. “Resta um único caminho, a alteração da lei”, defendeu Pedro Nuno Santos.

Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos | Foto de Cristina Bernardo

O Governo voltou hoje a defender que é preciso mudar a lei para construir o novo aeroporto do Montijo.

Para o aeroporto ser certificado pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), é necessário que todos os municípios abrangidos pelo projeto deem pareceres favoráveis.

Mas perante os pareceres negativos dos municípios da Moita e do Seixal, o que inviabiliza a infraestrutura, Pedro Nuno Santos defendeu no Parlamento uma mudança do quadro-legal para contornar este obstáculo ao novo aeroporto da região de Lisboa.

“Precisamos mesmo de avançar o mais depressa possível com este investimento”, disse o ministro das Infraestruturas no Parlamento, apontando que o aeroporto “depende que os municípios deem pareceres favoráveis”.

“O Governo reuniu com os municípios, fez um conjunto de propostas que pretendiam dar a resposta às preocupações do Seixal e da Moita”, sublinhou esta terça-feira na comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

“Ainda não há uma alteração das posições conhecidas. Resta um único caminho, a alteração da lei”, defendeu.

O ministro destacou que “nenhuma infraestrutura de importância nacional pode ficar dependente de um município”.

“Esta é uma questão importante, que é preciso resolver o mais depressa possível”, afirmou.

Na audição, o ministro também questionou o maior partido da oposição, defendendo que seria importante que o “PSD dissesse se quer ou não o aeroporto do Montijo”.

Perante estas declarações, a deputada bloquista Joana Mortágua questionou se faz sentido estar a mudar uma lei com efeitos retroativos, pois as autarquias da Moita e do Seixal já emitiram os pareceres negativos.

Relacionadas

Pedro Nuno Santos diz que obras no Montijo não devem arrancar em 2020 mas lembra que investimento tem de ser feito

O ministro das Infraestruturas e da Habitação considerou ser “difícil” o início das obras do aeroporto do Montijo ainda este ano, mas ressalvou que Portugal não pode prescindir de aumentar a capacidade aeroportuária em Lisboa.

Montijo. Zero move ação judicial para impugnar Declaração de Impacte Ambiental

A associação ambientalista Zero moveu uma ação judicial contra o Estado para impugnar a Declaração de Impacte Ambiental (DIA) que viabiliza o aeroporto do Montijo, nos arredores de Lisboa, revelam documentos a que a Lusa teve hoje acesso.

Montijo. ANA prevê que novo aeroporto crie 3.200 postos de trabalho diretos e 3.500 indiretos

O presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière, estima que o aeroporto do Montijo demore entre 36 a 39 meses a construir e considera que projeto tem de ser desenvolvido “o mais rapidamente possível”.

ANA – Aeroportos estima que tráfego aéreo possa atingir níveis pré-pandemia em 2023

O presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière, apesar da paralisação do setor da aviação, potenciado pela Covid-19, a construção do aeroporto do Montijo, no distrito de Setúbal, continua a ser uma prioridade para o país.

NAV assegura ter respondido a todas as solicitações ambientais do novo aeroporto no Montijo

“A NAV Portugal tem respondido a todas as solicitações e melhorias” ambientais e operacionais, afirmou o presidente do Conselho de Administração da NAV Portugal, que falava aos deputados na comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território.

Moita e Seixal continuam contra aeroporto do Montijo enquanto Barreiro apoia projeto

Os presidentes de câmara comunistas da Moita e do Seixal reafirmaram esta quarta-feira numa audição parlamentar que é um “erro” construir o novo aeroporto no Montijo, enquanto o Barreiro (PS) apoiou o projeto pelo desenvolvimento que pode trazer à região.
Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários