Alemanha vai enviar pela primeira vez armamento pesado para a Ucrânia

A ministra da Defesa alemã, Christine Lambrecht, informou que o governo aprovou a entrega dos tanques antiaéreos denominados como “Gepard”.

A Alemanha vai enviar pela primeira vez armamento pesado para apoiar a Ucrânia na guerra contra a Rússia. Esta decisão foi divulgada pela ministra da Defesa alemã, Christine Lambrecht, que deu conta que o governo aprovou a entrega dos tanques antiaéreos denominados como ‘Gepard’, revela a agência “Reuters” esta terça-feira, 26 de abril.

O anúncio das entregas destes tanques surge depois de na segunda-feira a empresa Rheinmetall ter solicitado a aprovação do governo para entregar 100 veículos de combate de infantaria ‘Marder’ e 88 tanques ‘Leopard 1A5’ para a Ucrânia.

“O verdadeiro significado desta decisão não está na diferença que os ‘Gepards’ podem fazer no campo de batalha, mas no sinal que enviam [para esta guerra]”, refere Marcel Dirsus, membro do Instituto de Política de Segurança da Universidade de Kiel.

A demora da Alemanha em enviar ajuda militar para a Ucrânia foi alvo de várias críticas, entre as quais do embaixador da Ucrânia na Alemanha, que acusou o país de atrasar a entrega de armamento pesado à Ucrânia e outras medidas que poderiam ajudar o país a travar as forças russas e que isso custou a vida dos cidadãos ucranianos.

Por sua vez, o chanceler Olaf Scholz, deu conta de que as forças armadas alemãs, a Bundeswehr, já estão no limite, enquanto o armamento que a indústria pode distribuir tem falta de munições e precisa de ser atualizado.

Os pedidos ucranianos por armamento pesado têm vindo a aumentar desde que Moscovo mudou a ofensiva para a região este de Donbass, um território visto como mais adequado para batalhas entre tanques do que as por via área em redor de Kiev.

Recomendadas

Rússia expulsa 34 diplomatas franceses

A situação poderá estender-se ao corpo diplomático espanhol, dado que Sergey Lavrov convocou esta quarta-feira o embaixador espanhol em Moscovo, Marcos Gómez.

Zelensky invoca ‘O Grande Ditador’ de Chaplin em Cannes

“O cinema vai ficar calado ou vai falar sobre isto? Se houver um ditador, se houver uma guerra pela liberdade, novamente, tudo depende da nossa unidade. O cinema pode ficar de fora?”, questionou. Por fim, disse que a sua crença é a mesma do clássico cinematográfico: “a liberdade não morrerá”.

Ginasta russo banido por um ano por usar símbolo pró-Putin em competição ganha pela Ucrânia

Ivan Kuliakd deve também devolver a medalha e reembolsar o prémio em dinheiro de 500 francos suíços (cerca de 477 euros) e pagar uma contribuição dos custos do processo no valor de 2.000 francos suíços (1908 euros). O russo pode pedir o recurso nos próximos 21 dias.
Comentários