Ana Gomes: “Sem a minha candidatura, não haveria nenhum candidato no campo do socialismo democrático”

A antiga eurodeputada afirma que será uma candidata “no campo do socialismo democrático”, garantido que se não fosse a sua candidatura não haveria nenhum representante do PS na corrida.

Cristina Bernardo

A candidata à Presidência da República, Ana Gomes, oficializou, esta quarta-feira, a sua candidatura junto do Tribunal Constitucional, em Lisboa, após ter recolhido cerca de 8.300 assinaturas — um número que lhe permite integrar na lista de candidatos a Belém.

Aos jornalistas, a antiga eurodeputada afirma que será uma candidata “no campo do socialismo democrático”, garantindo que se não fosse a sua candidatura não haveria nenhum representante do PS na corrida.

“Isto por decisão triste de alguns dirigentes do mesmo partido que no fundo incentivaram os militantes socialistas a votarem num candidato de direita”, disse. “Eu sinto-me bem acompanhada por muitos socialistas, além dos deputados independentes, do partido Livre, do PAN, que me honram muito”, continuou, assegurando que tem tido o apoio “de muitos socialistas que não se reveem num candidato de direita”.

Questionada sobre se se sente “traída ou abandonada” por alguns membros do Partido Socialista, nomeadamente o primeiro-ministro António Costa, Ana Gomes garante que não, afirmando que “os valores que o socialismo democrático, e a importância das eleições para a presidência da República têm na nossa arquitetura constitucional e democrática não deveriam de maneira nenhuma levar a que se desvalorizasse este ato eleitoral e não apresentando um candidato desse setor isso seria uma desvalorização”, explica.

Aos jornalistas, a candidata do PS frisa que é necessária “fazer uma viragem no nosso país para não continuarmos na cepa torta, não só no plano económico, mas também social”, garantido que, caso seja eleita, trabalhará “com qualquer governo eleito democraticamente”.

Quanto ao orçamento para a campanha eleitoral, Ana Gomes diz que vão ser gastos 50 mil euros.

 

Relacionadas

“Concorro para vencer as eleições e ver renovada a confiança dos portugueses”, diz Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa entregou no Tribunal Constitucional a sua lista de assinaturas para a recandidatura à Presidência da República, dizendo à saída que não pretende gastar mais do que 25 mil euros na sua campanha.

“Há muitos socialistas que vão votar em mim”. Vitorino Silva oficializa candidatura a Belém

Questionado a propósito da escolha do Partido Socialista em não apoiar qualquer candidato à Presidência da República, Vitorino Silva congratulou-se por essa decisão: “Foi uma opinião muito feliz por parte do PS porque há muitos candidatos que merecem os votos dos socialistas. Há muitos socialistas que vão votar em mim”.
Recomendadas

BE quer que beneficiários de bolsa de estudo do Ensino Superior recebam um complemento extraordinário

O BE quer que os estudantes que recebem apoios obtenham um complemento extraordinário no valor anual de 50% do valor do indexante dos apoios sociais.

Governo “condena a anexação pela Rússia dos territórios ucranianos”

Para o Governo a anexação dos territórios ucranianos à Rússia “constitui mais uma violação grosseira do Direito Internacional e dos princípios consagrados na Carta das Nações Unidas”.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.
Comentários