Antigo responsável da UE diz que Boris Johnson tem de respeitar acordo do Brexit

Declarações surgem depois do primeiro ministro britânico ter pedido a revisão de uma parte do acordo estabelecido entre o Reino Unido e a União Europeia em 2019.

O antigo membro da União Europeia (UE), e um dos responsáveis pela negociação do Brexit, Michael Barnier, diz que Boris Johnson tem de respeitar todos os detalhes estabelecidos no acordo que teve como propósito a saída do Reino Unido da UE.

“Os compromissos assumidos pelo Sr. Johnson na negociação do Brexit – no primeiro pacto que negociamos, que inclui o protocolo da Irlanda, e a questão é a paz na Irlanda, a estabilidade da ilha e o segundo pacto sobre o comércio do Brexit e a indústria onde se encontra o tratado de pescas – estes dois pactos que foram negociados passo a passo, vírgula por vírgula, frase por frase pelo Sr. Johnson, e que ele sabe muito bem, devem ser respeitados, para que o Reino Unido mantenha os seus compromissos em relação à União Europeia, e em relação à França”, afirmou Michael Barnier, à “CNBC” na segunda-feira.

Estas declarações surgem depois do primeiro ministro britânico ter pedido a revisão de uma parte do acordo estabelecido entre o Reino Unido e a União Europeia em 2019, nomeadamente sobre o protocolo com a Irlanda do Norte.

Este protocolo entrou em vigor no ano passado e tem como finalidade evitar os controlos alfandegários e uma fronteira terrestre efetiva entre a Irlanda do Norte, que faz parte do Reino Unido, e a República da Irlanda, que continua na União Europeia.

Contudo, este protocolo exige uma vistoria a todas as mercadorias que viajam para a Irlanda do Norte vindas do Reino Unido, algo que  causou incomodo entre os sindicalistas da Irlanda do Norte que alegam que este facto representa uma ameaça do país no Reino Unido.

Apesar das divergências sobre os acordos existentes, Michael Barnier considera que é mais importante “olhar para o futuro” no que diz respeito às relações entre Londres e Paris.

“Temos muitas razões para trabalhar juntos, não apenas numa escala militar, contra o terrorismo, mas também as mudanças climáticas e a cooperação transfronteiriça, há muitas razões pelas quais a França e o Reino Unido devem cooperar”.

A secretária dos Negócios Estrangeiros britânica, Liz Truss, e o vice-presidente da Comissão Europeia, Maroš Šefčovič, estiveram reunidos em Londres na última sexta-feira para prosseguir as negociações, mas o impasse entre Londres e Bruxelas mostra poucos sinais de abrandar.

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Casas mais “verdes” e ajustadas ao bolso português

Especialistas do sector imobiliário defendem uma recuperação do parque habitacional que está envelhecido e que por isso consome demasiada energia e pedem uma maior facilidade nos licenciamentos para a aprovação de projetos.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários