António Costa e Boris Johnson preparam acordo político global pós-Brexit

Os primeiros-ministros do Reino Unido e de Portugal preparam-se para fechar na segunda-feira um acordo político global para regular as relações bilaterais luso-britânicas. Entretanto, Rebelo de Sousa comemorará o Dia de Portugal de 2023 na África do Sul.

Rafael Marchante/Reuters

“Está a ser preparado um acordo chapéu entre os dois países, com particular incidência nas áreas da Defesa, política externa, ciência, Ensino Superior e alterações climáticas, em especial os oceanos”, adiantou à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, no final de uma visita ao Royal Brompton Hospital, em Londres, em que acompanhou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A assinatura deste acordo está apenas dependente da recuperação do estado de saúde de António Costa, que teve de cancelar a sua presença nas comemorações do 10 de Junho em Braga, entre sexta-feira e hoje.

No entanto, fonte de executivo adiantou que o líder do executivo português “continua a registar uma recuperação muito favorável” e o cenário mais provável é que já possa viajar para Londres no domingo, onde chegará ao início da noite.

Ainda em relação ao acordo bilateral em preparação, o ministro dos Negócios Estrangeiros indicou que a cooperação no domínio comercial é uma matéria regulada pelo Brexit, acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Por isso, as reações comerciais luso-britânicas podem ser aprofundadas, desde que respeitem o acordo entre a União Europeia e o Reino Unido.

Entretanto, o Presidente da República, que está em Londres no âmbito das comemorações oficial do Dia de Portugal, adiantou que as comemorações de 2023 deverão ter um modelo diferente, começando na África do Sul e só depois com iniciativas tendo como palco o território nacional. Recorde-se que pelo menos uma parte da comunidade portuguesa a residir na África do Sul queixa-se de que Rebelo de Sousa não cumpriu o que prometera em termos das comemorações locais do 10 de junho.

O novo esquema do modelo de comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas foi dado a conhecer no final de uma vista ao Royal Brompton Hospital de Londres, onde trabalham 116 enfermeiros e médicos portugueses.

Tendo ao seu lado o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e o secretário de Estado da Cooperação e das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafofo, o Presidente da República disse que “está na minha ideia, embora ainda sujeita a confirmação, para o ano ir se for possível à África do Sul”. “E, porventura, até fazer inverter a ordem: Começar a celebrar o Dia de Portugal fora e depois estar no dia 10 de Junho em Portugal”, indicou.

Relacionadas

Marcelo elogia a mais jovem comunidade portuguesa no “querido aliado” Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa falava na receção à comunidade portuguesa do Reino Unido, após o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, ter lido o discurso que o primeiro-ministro, António Costa, tencionava fazer nesta ocasião, se não tivesse ficado impedido de viajar por motivos de saúde.

10 Junho: MNE convida jovens portugueses no Reino Unido a regressarem a Portugal

“Aqueles que, pelas mais diversas razões saíram do país têm a oportunidade, se assim o desejarem, de regressar a casa. Essa continua a ser para nós uma prioridade”, afirmou Cravinho, durante uma receção num hotel em Londres organizada para celebrar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários