António Costa saúda chegada das vacinas e sublinha “extraordinário esforço” da Ciência

Em mensagem assinada na sua sua conta pessoal na rede social Twitter, o primeiro-ministro considera que “já há uma luz ao fundo do túnel”, mas avisa que “ainda não saímos do túnel”.

António Costa | Cristina Bernardo

O primeiro-ministro saudou a chegada hoje, dia 26 de dezembro, a Portugal do primeiro lote de vacinas contra a Covid-19, enaltecendo o “extraordinário esforço” da Ciência e a “coordenação exemplar” da União Europeia.

Mesmo assim, António Costa ressalva que ainda é cedo para baixar a guarda.

“Chegou hoje o primeiro lote da vacina anti Covid-19. Um extraordinário esforço da Ciência, uma coordenação exemplar da União Europeia”, escreveu o primeiro-ministro numa mensagem publicada na sua conta oficial da rede social Twitter.

O chefe de Governo lembra que o país ainda tem “pela frente vários meses de trabalho bem planeado”, mas, realçou, agora pode-se ter “a certeza de que há luz ao fundo do túnel”.

“Mas ainda não saímos do túnel. Por isso ainda é cedo para baixar a guarda e relaxar nas medidas de proteção. Com determinação reforçada por este momento de esperança”, sublinha António Costa nesta mensagem.

Recorde-se que o primeiro-ministro está em isolamento profilático na residência oficial de São Bento, em Lisboa.

O primeiro lote da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer-BioNTech chegou hoje de manhã a Portugal e contempla 9.750 doses destinadas aos profissionais de saúde dos centros hospitalares universitários do Porto, São João, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central.

Segundo o Ministério da Saúde, este lote de 9.750 doses será reforçado com a antecipação da entrega de mais 70.200 doses, que têm chegada prevista para segunda-feira, dia 28 de dezembro, elevando o total disponível para administração até ao final do ano para 79.950 vacinas.

Entre dezembro e o primeiro trimestre de 2021, que corresponde ao período da primeira fase definida pela ‘task-force’ responsável pelo plano de vacinação, Portugal espera receber 1,2 milhões de vacinas, distribuídas por três períodos: 312.975 doses no acumulado de dezembro e janeiro, 429 mil doses em fevereiro e 487.500 em março.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.743.187 mortos resultantes de mais de 79,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 6.478 pessoas dos 391.782 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde, ou seja, de ontem, dia 25 de dezembro.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários