Área da Grande Lisboa tem 13 bairros de lata. Mais de 1.800 famílias vivem em barracas

Segundo o jornal “Expresso”, os concelhos do Seixal, Almada, Loures e Amadora são onde estão os piores casos.

A Área da Grande Lisboa ainda tem 13 bairros de lata, sendo que mais de 1.800 famílias encontram-se a viver em barracas. De acordo com a edição do jornal “Expresso” deste sábado, é nos concelhos do Seixal, Almada, Loures e Amadora que se concentram os piores casos.

Na zona de Almada os bairros da Terras da Costa e Segundo Torrão encontram-se para realojamento 550 famílias, sendo que a autarquia precisa de quatro mil fogos para terminar os realojamentos, com este concelho a ser de acordo com o semanário, aquele onde vive um maior número de famílias a viver em barracas.

Na Amadora existem ainda 524 famílias para realojar. Desde 1993 já desapareceram 31 bairros. Em Loures, havia até 2017 2.735 fogos a serem realojados, divididos entre barracas, núcleos degradados e casas muito precárias.

No concelho de Odivelas estão ainda por realojar oito núcleos, sendo o bairro do Barruncho, o maior com 91 famílias. No Seixal, os bairros da Jamaica (567 pessoas) e de Santa Marta de Corroios (800 pessoas), são os mais precários, sendo que o ‘fim’ do primeiro será em 2022, enquanto o segundo, não tem ainda data prevista de realojamento.

No ano passado foi divulgado o primeiro levantamento a nível nacional das necessidades de realojamento, que identificou mais de 25 mil famílias a precisar de nova casa, das quais 12 mil a viver em barracas ou construções precárias. Mais de metade concentram-se na Grande Lisboa e 12% na Área Metropolitana do Porto.

Recomendadas

Aprovada proposta do BE que revoga diploma com benefícios fiscais a fundos de investimento (com áudio)

O diploma que contemplava um quadro de incentivos fiscais dirigido a fundos de investimento imobiliário vai ser revogado, na sequência de uma proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) do BE hoje aprovada no parlamento.

Larfa Properties investe seis milhões na reabilitação do Convento do Beato para o modernizar

No exterior, esta remodelação contemplou ainda “a construção de uma nova área de estacionamento, com cerca de 80 lugares, a poente da igreja, numa zona anteriormente ocupada por armazéns devolutos”.

Procura por construção nova registou quebra homóloga de 45,1% em novembro

Também as outras categorias de imobiliária registaram descidas expressivas em relação a novembro de 2021: nos apartamentos, (40,6%), nas moradias (40,4%) e nos terrenos, quintas e herdades (33,6%).
Comentários