PremiumAs duas dimensões dos países bálticos: o Natal e o centenário da independência

A Letónia e restantes países bálticos Lituânia e Estónia têm celebrado ao longo deste ano o centenário da Independência e Proclamação das suas primeiras Repúblicas, cuja declaração se realizou em 1918.

O programa comemorativo oficial na Letónia vai até 2021 (somente dois anos depois, em 1920, a Rússia reconheceu a independência báltica). Apesar da declaração da independência, Riga e a Letónia continuaram sob o jugo comunista/soviético (ao longo de 60 anos aproximadamente), apenas até 1944. Mas só em 1991 é que a Letónia reconquistou, por completo, a sua independência, revigorando-se e transformando-se num destino turístico possante, com uma variada oferta cultural.

Numa viagem de considerar “3 em 1”, como não aproveitar para – além das fantásticas Riga e Letónia – conhecer as lindíssimas capitais da Lituânia e da Estónia? Importa lembrar que os centros históricos das três capitais bálticas são património da Humanidade pela UNESCO e que Riga fica no meio de Tallinn (a norte) e de Vilnius (a sul), distando umas quatro horas de autocarro dessas cidades. Uma excelente opção de deslocação é em autocarro de categoria superior, com a companhia ‘LUX Express’, aliando a qualidade ao preço.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários