ASF garante que exposição à Rússia não põe em causa solvabilidade das seguradoras do Montepio

“A ASF acompanhou também a evolução dos investimentos em ativos de origem russa realizados por esta empresa, concluindo que a sua dimensão não colocou em causa que a empresa regressasse a margens de solvência acima do exigido, como atualmente se verifica”, conclui o supervisor.

Na sequência da publicação de uma notícia na edição de hoje do jornal “Público” sobre as seguradoras do grupo Montepio Geral Associação Mutualista, – Exposição a empresas russas agrava “buraco” das seguradoras do Montepio – a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) veio em comunicado explicar que “no exercício das funções de supervisão e no âmbito do processo de supervisão legalmente instituído, a ASF acompanha a atividade e situação financeira e de solvência das empresas de seguros e, neste contexto, desenvolve as ações necessárias ao cumprimento do regime legal vigente (regime jurídico de acesso e exercício
da atividade seguradora e resseguradora, aprovado pela Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro)”.

Conforme divulgado no relatório e contas da empresa, a Lusitânia Vida, Companhia de Seguros registou um incumprimento do requisito de capital de solvência a 7 de fevereiro de 2022.

“Nesse seguimento, nos termos legalmente previstos e conforme resulta do mencionado relatório e contas, a empresa de seguros está a ser objeto de acompanhamento pela ASF, mantendo-se plenamente autorizada ao exercício da atividade seguradora e a operar em condições normais de mercado”, adianta o regulador dos seguros.

A ASF garante que acompanha a evolução da empresa, tendo atuado no sentido de estabelecer à Lusitânia Vida um conjunto de medidas que estão em implementação, fazendo a sua monitorização.

“As medidas tomadas pela empresa, em resposta às instruções da ASF, permitem que a Lusitânia Vida apresente um rácio de solvência superior a 130%, cumprindo assim os requisitos exigidos”, assegura a entidade liderada pro Margarida Corrêa de Aguiar.

“A ASF acompanhou também a evolução dos investimentos em ativos de origem russa realizados por esta empresa, concluindo que a sua dimensão não colocou em causa que a empresa regressasse a margens de solvência acima do exigido, como atualmente se verifica”, conclui o supervisor.

O Público notícia hoje que a degradação da Lusitânia Seguros e Lusitânia Vida, que integram a sociedade Montepio Seguros, está a preocupar a entidade supervisora do sector. Perda de capitais próprios já vai nos 160 milhões até Maio.

Recomendadas

Sindicatos atentos ao fundo pensões do BCP

Os Sindicatos Verticais da Banca asseguram aos associados do BCP que tudo farão “na defesa dos seus interesses no Fundo de Pensões do banco”.

BCE vigia 31 bancos por riscos associados à subida das taxas de juro

Banco Central Europeu lançou uma revisão dos riscos de taxa de juro e spread de crédito para avaliar a exposição dos bancos. Numa primeira fase irá monitorizar 31 instituições financeiras

BPI reduz participação qualificada na Conduril para 9,62%

O Banco BPI reduziu a sua participação qualificada no capital da Conduril de 10,17% para 9,62%, de acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
Comentários