Associação Empresarial de Portugal no Egipto com sector da construção

O presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, refere que “nos últimos seis anos, o governo egípcio tem mantido o investimento em novos projetos (New Mansoura City, New Administrative Capital, o comboio de alta velocidade) e que é o primeiro país da MENA (Middle East and North Africa) a emitir ‘green bonds’.

Cairo, Egipto

A AEP – Associação Empresarial de Portugal volta, esta semana, com cinco empresas nacionais, ao Egipto para participarem na BIG 5 Construct Egypt, a mais importante feira da fileira da construção e materiais de construção, pedras e rochas ornamentais, tecnologias e ambiente, que acontece no Cairo, entre os dias 25 e 27 de junho.

Para a AEP, que organiza a segunda participação portuguesa na BIG 5 Construct Egypt, a viagem tem como objetivo apoiar as empresas na diversificação de mercados para aumentar as exportações, e é uma oportunidade para consolidar contactos feitos o ano passado e estabelecer outros com novos parceiros.

A AEP já desenvolve ações presenciais neste mercado desde 2010, através da organização de várias missões empresariais, mas o sucesso alcançado na edição do ano passado da BIG 5 Construct Egypt, fez a associação regressar para realizar a segunda participação na feira.

O presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, refere que “nos últimos seis anos, o governo egípcio tem mantido o investimento em novos projetos (New Mansoura City, New Administrative Capital, o comboio de alta velocidade) e que é o primeiro país da MENA (Middle East and North Africa) a emitir green bonds, que permitem o desenvolvimento de projetos nas áreas da gestão de energia e transporte, saneamento e gestão de água e plataformas de energias sustentáveis.”

Na BIG 5 Construct Egypt vão estar as empresas Balanças Marques (balanças industriais), Urbimagem (sistemas de arquitetura e construção), Catari (andaimes), Safina – Sociedade Industrial de Alcatifas (tapetes e carpetes) e Metalúrgica do Tâmega (centrais de britagem e crivos).

O Egipto tem abundantes recursos naturais (petróleo e gás natural). A exploração do campo de gás natural de Zohr, a maior jazida do Mediterrâneo, veio consolidar o Egipto como um importante exportador mundial.

O Canal do Suez – principal eixo de passagem dos fluxos de comércio entre a Europa, a bacia mediterrânica e o sudoeste asiático – é crucial para o desenvolvimento económico do Egipto.

“Suportado pelo investimento e pela exportação de bens e serviços e ainda pelo bom desempenho dos setores da energia, construção e turismo, entre 2019 e 2020, a economia do país sofreu o impacto da pandemia nos fluxos comerciais, no turismo e na procura interna. Para 2022, estima-se o aumento da procura global, das exportações e da retoma do turismo”, refere a associação.

A edição de 2021 da feira contou com a participação de 196 expositores e 11 mil visitantes profissionais, oriundos de 16 países, fazendo da BIG 5 Construct Egypt um evento à escala mundial e, por isso, uma oportunidade para abordar vários mercados e as potencialidades de negócio que apresentam.

Recomendadas

Teixeira Duarte passa de prejuízo a lucro de 3,6 milhões no primeiro semestre

A construtora Teixeira Duarte totalizou 3,6 milhões de euros de lucro no primeiro semestre, valor que compara com um prejuízo de aproximadamente 18,6 milhões de euros apurado em igual período do ano anterior, foi esta quinta-feira comunicado ao mercado.

Gonçalo Moura Martins defende que empresas portuguesas precisam de escala

O CEO da construtora falava num painel de empresários constituído por António Pires de Lima, CEO da Brisa, Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Grupo Vila Galé, e Francisco Cary, administrador da Caixa Geral de Depósitos, sobre o atual contexto de crise.

Exportações portuguesas de metalurgia batem recorde mensal absoluto

As exportações portuguesas de metalurgia e metalomecânica atingiram em maio o recorde mensal absoluto de 2.135 milhões de euros, subindo 25% em termos homólogos e ultrapassando pela primeira vez os dois milhões, anunciou esta quinta-feira a associação setorial.
Comentários