Banco BAI viu lucros em Cabo Verde aumentarem 384% em 2021

O BAI Cabo Verde, participado também pela petrolífera Sonangol, registou um resultado líquido superior a 150,2 milhões de escudos (1,3 milhão de euros).

Os lucros do Banco Angolano de Investimentos (BAI) Cabo Verde, participado também pela petrolífera Sonangol, aumentaram 384% em 2021, para 1,3 milhão de euros, segundo dados do relatório e contas.

No documento, o conselho de administração reconhece que o “desempenho económico foi positivo” e que o crescimento dos resultados líquidos, juntamente com o aumento de capital de seis milhões de euros, “foi relevante para o aumento da solidez financeira do banco, incrementando a posição dos fundos próprios e determinando um aumento do rácio de solvabilidade de 14,22% para 23,74%”.

O BAI Cabo Verde registou, assim, um resultado líquido superior a 150,2 milhões de escudos (1,3 milhão de euros) no exercício de 2021, face aos 31 milhões de escudos (280 mil euros) em 2020 e 124,7 milhões de escudos (1,1 milhões de euros) em 2019.

O conselho de administração decidiu distribuir 35% dos lucros de 2021 como dividendos aos acionistas, aplicando os restantes em reservas, obrigatórias (10%), de estabilização de dividendos (8%) e livres (47%), segundo o documento.

O BAI Cabo Verde era detido no final de 2020 em 83,85% pelo BAI (Angola), com a petrolífera Sonangol Cabo Verde a ter uma quota de 13,45% e a Sociedade de Investimentos SOGEI uma participação de 2,69%.

Após o aumento de capital no final de 2021, com a entrada em dinheiro de 661,5 milhões de escudos (seis milhões de euros), o BAI Angola reforçou a sua posição, para uma quota de 88,96%, enquanto a Sonangol Cabo Verde e a SOGEI, mantendo o mesmo número de ações, viram as respetivas posições cair para 9,20% e 1,84%.

A administração refere na mensagem no relatório e contas que em 2021, “apesar do cenário adverso”, o BAI Cabo Verde “manteve a dinâmica de crescimento com a carteira de clientes a crescer de 36.002 para 40.335, tendo prosseguido com a expansão da rede comercial”.

“A estratégia de crescimento alicerçou-se também numa intensa atividade comercial, que resultou no aumento da carteira de créditos em 7,6% e estabilização dos depósitos com crescimento de 1,7%”, sublinha ainda a administração.

No cômputo geral dos bancos comerciais que operam no mercado em Cabo Verde, o BAI apresentou em 2021 crescimentos em termos de quota nos ativos, de 8,59% para 8,75%, ultrapassando os 24.882 milhões de escudos (225,1 milhões de euros), nos depósitos, de 6,17% para 6,29%, para 14.443 milhões de escudos (130,6 milhões de euros), e nos créditos, de 13,79% para 14,24%, para 17.368 milhões de escudos (157,1 milhões de euros), incluindo títulos da dívida pública.

Segundo o relatório e contas, os indicadores referentes à qualidade de crédito “evidenciam uma melhoria”, com o rácio do crédito em incumprimento (mais de 90 dias) sobre o crédito total a reduzir-se em 1,32 pontos percentuais, para 5,86%.

Com 133 trabalhadores, o produto bancário do BAI Cabo Verde aumentou para quase 906 milhões de escudos (8,2 milhões de euros) no final de 2021.

Recomendadas

Portugal lidera investimento estrangeiro em Cabo Verde no primeiro trimestre

O arquipélago captou de janeiro a março deste ano mais de 2.286 milhões de escudos (20,8 milhões de euros) em investimento estrangeiro, sobretudo no sector do turismo.

Primeiro-ministro guineense reafirma “empenhamento total” nas legislativas

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Nabiam reafirmou hoje o “empenhamento total do Governo” para que as eleições legislativas antecipadas tenham lugar em 18 de dezembro, mesmo perante “muitas dificuldades”.

‘Stock’ da dívida pública de Cabo Verde aproxima-se dos 150% do PIB

O governo cabo-verdiano estima baixar o rácio do ‘stock’ da dívida pública para 150,9% do PIB em 2022, conforme prevê o Orçamento do Estado, depois dos 155,6% em 2020, devido aos efeitos económicos da pandemia.
Comentários