Banco central de Angola autoriza o pagamento de 36,9 milhões de dividendos do BFA ao BPI

Este montante refere-se a 2015. Mas ainda faltam os dividendos do BFA de 2014, que são no montante de 29,2 milhões de euros. Tudo a postos para a Assembleia Geral que vai votar a venda dos 2% do BFA à empresa de Isabel dos Santos.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O pagamento dos dividendos do BFA de 2014 e 2015, até à passada sexta-feira fazia parte das disposições do acordo assinado entre o BPI e a Unitel, assinado no passado dia 7 de outubro, mas acabou por ser parcialmente autorizado o pagamento pelo BNA, apenas hoje.

Em comunicado ao BPI acaba de informar “ter recebido a confirmação de que a transferência para Portugal dos dividendos do Banco de Fomento Angola, (BFA) relativos ao exercício de 2015, no montante equivalente a 36.9 milhões de euros, se encontra autorizada pelo Banco Nacional de Angola”.

Isto é o BFA ja pode pagar os dividendos de 2015 ao BPI. Mas no que respeita à parte dos dividendos do BFA relativos ao exercício de 2014 que ainda não foram transferidos, no montante equivalente a 29.2 milhões de euros, “aguarda-se a respectiva autorização de transferência a muito curto prazo”, diz o BPI.

 

Relacionadas

BCE: venda de 2% do BFA resolve problema do BPI da exposição a Angola

O BPI acaba de comunicar ao mercado que o BCE considera que a venda do controlo do banco angolano resolve problema da exposição a Angola do BPI.

BPI à espera dos dividendos do BFA

O BPI tem de receber 66 milhões de euros de dividendos do BFA de 2014 e 2015 e ainda 28 milhões de euros pela venda prevista dos 2% do BFA à Unitel. Somando aos 30 milhões de dólares que foram pagos na passada sexta-feira, totaliza 122,18 milhões de euros, o dinheiro que têm de vir de Angola para a conta do BPI.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários