Banco de Fomento garante que aplicou critérios de forma transparente no caso Mário Ferreira (com áudio)

Beatriz Freitas, CEO do Banco Português de Fomento que vai ser substituída por Ana Carvalho, garante que o banco gere os processos de candidatura com rigor e transparência, depois da polémica em torno da atribuição de fundos ao empresário Mário Ferreira.

Crédito: Cristina Bernardo

O Banco Português de Fomento (BPF) garante que aplica de forma rigorosa e transparente os critérios quando analisa as candidaturas das empresas aos programas de recapitalização e de investimento. As declarações foram feitas por Beatriz Freitas, presidente desta entidade, numa audição no Parlamento sobre a atribuição de fundos do PRR à Pluris Investment, de Mário Ferreira.

“Todas as expressões de interesse que nos são entregue por empresários são analisadas e avaliadas de acordo com os critérios”, começou por dizer Beatriz Freitas, presidente da comissão executiva do BPF, esta quinta-feira, na comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação.

Na audição realizada a pedido do PSD, do Bloco de Esquerda e PAN, a responsável deixou uma garantia: “O banco o que fez e o que faz é aplicar rigorosamente os critérios de forma transparente” quando questionada pela atribuição de fundos a Mário Ferreira.

O “Público” avançou em julho que a Pluris Investments ia receber mais de metade (52%) dos 76,7 milhões de euros de apoio à capitalização de empresas afetadas pela pandemia. A decisão gerou muitas críticas, nomeadamente da líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e da antiga eurodeputada Ana Gomes. Declarações que Mário Ferreira considerou “insultuosas, fora de contexto, populistas e demagógicas – escudadas em insinuações para evitarem processos judiciais”.

À data, o BPF assegurou que o processo foi transparente, dizendo que a “avaliação das candidaturas recebidas aumenta de exigência quanto maior o montante”.

A Pluris Investments acabou por prescindir do empréstimo de 40 milhões de euros concedidos pelo BPF, no âmbito do Programa de Recapitalização Estratégica, criado no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). A empresa decidiu realizar um aumento de capital com fundos próprios, recusando a atribuição de fundos do PRR “em nome da verdade dos factos e na salvaguarda do seu bom nome e do seu acionista principal, Mário Ferreira”.

Questionada sobre o facto de este empréstimo ultrapassar o limiar de 10 milhões de euros definido pelo BPF, Beatriz Freitas explicou que os “dez milhões não são uma condição. São um teto que julgámos” que devia ser aplicado, mas “que pode ser ultrapassado sempre que o banco considera que tal é aplicável”.

“O teto que é vinculativo são os 100 milhões de euros por candidatura”, explicou, notando que este limite não pode, de acordo com o regulamento, ser ultrapassado.

A liderança do BPF vai mudar. O Governo disse, em junho, ter escolhido Celeste Hagatong para assumir a presidência do conselho de administração do BPF, e Ana Rodrigues de Sousa Carvalho para o cargo de presidente executiva, substituindo Beatriz Freitas.

Relacionadas

Pluris de Mário Ferreira abdica do empréstimo de 40 milhões do Banco de Fomento

A empresa justifica esta decisão com base na “salvaguarda do seu bom nome e do seu accionista principal”, anunciando por sua vez um aumento de capital com fundos próprios.

Governo e Banco de Fomento chamados ao Parlamento sobre fundos para empresa de Mário Ferreira

A comissão parlamentar de Economia aprovou as audições do ministro da Economia, do secretário de Estado do Planeamento, e do Banco de Fomento, sobre a atribuição de fundos do PRR à Pluris Investment, de Mário Ferreira.

Banco de Fomento garante transparência nos apoios a Mário Ferreira com verbas do PRR (com áudio)

Também hoje, o ministro da Economia, António Costa Silva, assegurou , no Parlamento, que o Governo não tem intervenção nas decisões do Banco de Fomento, após ser questionado sobre o apoio à Pluris do empresário Mário Ferreira.
Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários