Banco Europeu de Investimento e BPI reforçam apoio à inovação em Portugal

BEI e BPI unem esforços para apoiar a inovação em Portugal, disponibilizando até 300 milhões de euros através do «Innovfin Garantia para as empresas de média capitalização» destinado a PME e empresas de média capitalização.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco BPI SA (BPI) deram novos passos no sentido de estreitar a sua cooperação com vista ao financiamento da inovação em Portugal. O banco da UE concedeu ao BPI uma garantia para cobrir parcialmente o risco de crédito de uma carteira de novos empréstimos no valor de 300 milhões de euros para projetos de inovação a concretizar por empresas portuguesas.

O acordo é apoiado pelo instrumento financeiro InnovFin MidCap Guarantee integrado no Horizonte 2020, o programa de investigação e inovação da União Europeia. O objetivo desta iniciativa é facilitar o acesso de empresas inovadoras ao financiamento, disponibilizando uma garantia financeira parcial aos intermediários financeiros parceiros do BEI.

Este acordo permitirá ao BPI financiar uma nova carteira de PME inovadoras (com menos de 3 mil trabalhadores). O BEI estima que cerca de 80% dos investimentos financiados serão concretizados em regiões de coesão em Portugal.

Sobre este contrato, o vice-presidente do BEI, responsável pela supervisão da atividade da instituição em Portugal, Román Escolano, sublinhou que tornará “mais fácil às empresas portuguesas investir em inovação, um fator essencial para aumentar a sua competitividade e apoiar o seu crescimento a longo prazo”. Em SEU ENTENDER, AS PME e as mid-caps “são veículos fundamentais da criação de emprego em Portugal e, por esta razão, o apoio aos seus investimentos em inovação, com condições financeiras vantajosas e prazos alargados, é uma das prioridades do BEI”.

Já para Pablo Forero, CEO do Banco BPI, esta operação é “um novo marco na relação entre o BPI e o BEI. No seguimento do concurso público lançado pelo BEI no âmbito do programa Horizonte 2020 promovido pela Comissão Europeia, estamos muito satisfeitos por termos sido selecionados como o primeiro intermediário financeiro em Portugal a participar numa operação de partilha de risco com o BEI, numa base pari passu. O acordo vai permitir-nos reforçar a concessão de crédito de médio e longo prazo dirigido a investimentos realizados pelas PME e mid-caps inovadoras líderes em Portugal, uma das principais prioridades de negócio partilhadas por ambas as instituições financeiras”.

 Em 2016, o Grupo BEI disponibilizou 33.600 milhões de euros para negócios de pequena e média dimensão, alcançando 300 mil empresas em toda a UE. Em Portugal, também no último ano, o Grupo BEI celebrou acordos no montante de 1.780 milhões, incluindo 1.196 milhões de euros que contribuíram para apoiar mais de 8.200 PME e mid-caps portuguesas.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários