BCE anuncia 120 mil milhões de euros adicionais em compra de ativos até final do ano

O banco central liderado por Christine Lagarde explicou que a medida que acrescenta à ao atual programa de compra de ativos no valor de 20 mil milhões de euros por mês visa apoiar “condições de financiamento favoráveis para a economia real em tempos de incerteza mais elevada”.

Armando Babani/EPA via Lusa

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira um “envelope temporário adicional de compra de ativos líquidos” de 120 mil milhões de euros até final deste ano para ajudar a mitigar o impacto do surto do coronavírus na economia da zona euro.

“Em combinação com os existente programa de compra de ativos, isto irá apoiar a condições de financiamento favoráveis para a economia real em tempos de incerteza mais elevada”, informou o BCE em comunicado emitido apos a reunião do Conselho de Governadores em Frankfurt.

Em setembro do ano passado, o banco central relançou o Asset Purchase Programme (APP) a um ritmo mensal de 20 mil milhões de euros, que arrancou em novembro e sem prazo final, com o objetivo de reforçar o impacto acomodatício das taxas diretoras.

O banco central adiantou que os reinvestimento dos pagamentos de ativos que chegam à maturidade no APP irão  continuar, na íntegra, por um período prolongado para além da data quando o Conselho de Governadores começar a aumentar as taxas de juro e, em qualquer caso, enquanto for necessário manter condições favoráveis de liquidez e um amplo grau de acomodação monetária.

A maioria dos analistas previa um aumento do ritmo de compras mensais, com as estimativas a irem de uma subida para 30 mil milhões até mesmo os 50 mil milhões por mês. Com a decisão anunciada esta quinta-feira, e num cenário em que o BCE comece as compras adicionais no início de abril e as faça de forma linear, irá comprar 13,33 mil milhões de euros por mês, acima dos 20 mil milhões que já comprava.

A instituição liderada por Christine Lagarde decidiu manter taxa de juro de depósito em -0,50%, enquanto a maioria dos analistas esperava uma redução para -0,60% ou 0,70%. A taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez  também ficaram inalteradas, permanecem em 0,00% e 0,25%, respetivamente.

A decisão do BCE de manter inalteradas as taxas de juro difere das da Reserva Federal norte-americana (a Fed), do Banco do Canadá e do Banco de Inglaterra, que cortaram as taxas de juro por forma a mitigar o impacto negativo do novo coronavírus na economia.

No dia 3 de março, a Fed cortou em 50 pontos base a federal funds rate para um intervalo entre 1% e 1,25%. No dia seguinte, o Banco do Canadá anunciou política idêntica, também cortando as taxas de juro em 50 pontos base para um intervalo de 1% a 1,25%, com a correspondente taxa de depósito fixada em 1%. E, ontem, depois de uma reunião de emergência, o Banco de Inglaterra cortou as taxas de juro de 0,75% para 0,25%.

O BCE anunciou ainda esta quinta-feira que a taxa da série de empréstimos de longo prazo à banca (TLTRO-III) será 25 pontos base abaixo da média do Eurosistema. As operações de refinanciamento, que têm como objetivo injetar liquidez na banca, foram lançadas em setembro de 2019 e terminam em março de 2021. A medida hoje anunciada aplica-se às operações pendentes entre junho de 2020 e junho de 2021.

O banco central vai aplicar também um conjunto de medidas que visam aliviar as regras sobre as almofadas de capital impostas aos bancos da zona euro.

Segundo Carsten Brzeski, economista-chefe do ING, referiu que o BCE com estas medidas “está a focar em fornecer liquidez adicional e em estabilizar os mercados com um Quantitative Easing adicional”, sublinhando que o banco central está a de forma “direcionada e não com uma tentativa mais alargada”.

[Atualizada às 13h31]

Relacionadas

BCE põe taxa nos empréstimos de longo prazo à banca em 25 pontos base abaixo da média do Eurosistema

Banco Central Europeu manteve as taxas de juros inalteradas, mas adotou um pacote de estímulos à economia, que incluem empréstimos mais baratos para a banca.

BCE mantém taxas de juro inalteradas

O Conselho do Governador do BCE explicou que as taxas de juro vão permanecer nos níveis atuais, ou em níveis menores, até que o outlook para a inflação convirja para próximo da meta de 2%.

Covid-19: Lagarde alerta sobre choque como o de 2008 e sinaliza que o BCE irá tomar medidas

Segundo a “Bloomberg”, Lagarde disse aos líderes da União Europeia numa teleconferência esta terça-feira à noite que sem ação coordenada a Europa “irá ver um cenário que nos irá fazer recordar a grande crise financeira de 2008”, mas adiantou que com a resposta apropriada o choque poderá ser temporário.
Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários