BCE revê em alta previsão de crescimento na zona euro para 2017

O Banco Central Europeu manteve as suas previsões de crescimento da zona euro para 2016 em 1,7%, valor que agora antecipa também para 2017, o que representa uma ligeira revisão em alta face à anterior projeção (1,6%).

Reuters

Em conferência de imprensa em Frankfurt, o presidente do BCE, Mario Draghi, indicou ainda que também relativamente à inflação a instituição a que preside mantém a previsão de crescimento da taxa para este ano (0,2) mas para 2017 antecipa igualmente uma décima mais do que previa em setembro passado, projetando agora 1,3%.

Para 2018, o BCE prevê um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no espaço monetário único de 1,6%, que deverá manter-se no ano seguinte, e uma inflação de 1,5%, que a instituição projeta agora que cresça em 2019 para 1,7%, já muito próximo do seu objetivo, perto dos 2%.

Relacionadas

BCE prolonga programa compras, mas abranda ritmo a partir de abril

BCE reduz compras a partir de Abril para 60 mil milhões de euros, pelo menos até final de 2017

Draghi: “O fim gradual do programa de compras não foi discutido”

O BCE vai passar a comprar também ativos abaixo da taxa de depósitos que está em nível negativo. “É uma opção, não uma obrigação”.
Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários