BdP e CMVM dizem que criptoativos não ameaçam estabilidade financeira mas admitem preocupação

O Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) consideraram esta quinta-feira que o mercado de criptoativos ainda não coloca em causa a estabilidade financeira mas admitiram que há uma preocupação crescente.

O Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) consideraram hoje que o mercado de criptoativos ainda não coloca em causa a estabilidade financeira mas admitiram que há uma preocupação crescente.

Numa conferência organizada pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS) num hotel em Cascais, o administrador do Banco de Portugal Luís Laginha de Sousa disse que os riscos da exposição do sistema financeiros aos criptoativos ainda estão limitados mas que pode haver implicações e que este é um tema onde falta muita informação.

“Os criptoativos têm justificado um acompanhamento e uma preocupação crescente. Não há ainda a perceção de que sejam hoje um risco para a estabilidade financeira, os sinais não apontam que hoje seja um risco para a estabilidade financeira, mas há ainda um desconhecimento sobre as interligações, o que pode vir a ser a apetência crescente (ou não) por esse tipo de instrumentos e sobretudo as implicações que entradas ou saídas deesse tipo e instumentos pode trazer para o setor financeiro”, afirmou Laginha de Sousa.

Já o administrador da CMVM Rui Pinto disse que é já elevado o valor atual dos investimentos no mercado de criptoativos, que teve um crescimento exponencial em cinco anos, mas considerou que, ainda assim, o que se constata é que “está relativamente contido” o risco do ponto de vista da estabilidade financeira vindo do mercado de criptoativos.

“Não há muitos canais de comunicação entre mercado de criptoativos e sistema financeiro, mas não quer dizer que não haja uma potencial disrupção uma vez que é um mercado extremamente volátil”, afirmou.

Segundo o administrador do regulador dos mercados financeiros, aumentou muito o número de investidores em criptoativos com o confinamento provocado pela crise pandémica e há vários tipos de investidores, caso dos que têm uma parte de investimento em criptoativos e aquele com mais apetite ao risco que investem numa perspetiva de gamificação do investimento (em que o investimento é vista como um jogo) e estão mais disponíveis para poder haver uma erosão muito rápida e efetiva do valor investido.

“Este mercado é muito diverso e fragmentado e muitas vezes com pouca informação, muitas vezes os investidores investem sem conhecimento real. Não sendo um mercado regulado é um mercado para o qual a CMVM está particularmente atenta”, disse Rui Pinto.

Este mês houve importantes perdas de valores em vários criptoativos, com as autoridades atentas a possíveis efeitos colaterais imprevisíveis e negativos para investidores de todos os tipos

A indústria e o mercado de criptoativos ainda é um tema muito controverso e com falta de regulamentação abrangente.

Na União Europeia e nos Estados Unidos os reguladores avisam os investidores de que há riscos nesses investimentos, mas – mais de 13 anos depois da publicação do protocolo de uma moeda digital que não estaria vinculada a nenhuma autoridade legal ou soberana (Bitcoin) e do desenvolvimento do setor dos criptoativos – a regulamentação ainda escasseia, o que deixa investidores mais vulneráveis a abusos, manipulações e esquemas fraudes.

A UE está a preparar o regime europeu MiCA (Markets in Crypto-Assets) para regular os criptoativos enquanto valores mobiliários, o que pode tardar um ano ou mais. Quando esse regime for passado para a lei portuguesa, terá de ser decidido quem fica com a regulação desta área, CMVM, Banco de Portugal ou mesmo ambos (dividindo competências).

Para já, em Portugal, sem legislação abrangente que enquadre este setor, o que Banco de Portugal e CMVM fazem é alertas aos investidores para os riscos que correm. Atualmente, a única regulação existente sobre criptoativos cabe ao Banco de Portugal e é a autorização e supervisão de entidades que exercem serviços de troca, transferência ou guarda de ativos virtuais (como Bitcoin).

Em outubro passado, num relatório sobre o tema, o Fundo Monetário Internacional (FMI) disse ver vantagens nos criptoativos e na chamada finança descentralizada, desde logo a facilitação das transações financeiras internacionais (mais rápidas e baratas), defendeu padrões de regulação global para mitigar riscos de criarem instabilidade financeira.

Recomendadas

Wall Street recupera e vai de fim de semana com subidas

Ainda assim, os títulos da Meta Platforms, que detém o Facebook, deslizaram após vir a público que a empresa liderada por Mark Zuckerberg está a cortar os planos de contratação de engenheiros, antecipando uma eventual desaceleração económica.

PSI fecha no verde com EDP Renováveis a disparar mais de 5% e EDP mais de 4%

Apesar da leitura preliminar da inflação, no mês de junho, ter registado um novo pico, acima do esperado, os mercados não reagiram negativamente. Ainda assim as bolsas da Europa fecharam mistas. Energia e utilities em forte alta.

Wall Street entra em julho com o pé esquerdo

O sector dos semicondutores está a cair após a empresa Micron Technology, fabricante de chips, ter apresentado um ‘guidance’ fiscal para o quarto trimestre que desiludiu o mercado. As concorrentes perdem mais de 2% no arranque da última sessão da semana.
Comentários