BE diz que linhas gerais do OE 2020 ficam “aquém das necessidades do país”

A delegação bloquista que esteve reunida com o Governo diz que não chegou a qualquer consenso com o Governo e que a continuidade da reposição de rendimentos, a garantia de direitos e a diminuição dos impostos sobre bens de primeira necessidade devem ser prioridades.

Mário Cruz/Lusa

O Bloco de Esquerda (BE) afirmou esta terça-feira que as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE 2020) ficam “aquém das necessidades do país”. A delegação bloquista que esteve reunida com o Governo diz que não chegou a qualquer consenso com o Governo e que a continuidade da reposição de rendimentos, a garantia de direitos e a diminuição dos impostos sobre bens de primeira necessidade devem ser prioridades.

“Não conseguimos chegar ainda a patamares de entendimento com o Governo. Consideramos que, neste momento, o que está em cima da mesa fica aquém das necessidades do país. Mas este não é um processo fechado e ainda faltam alguns dias até à entrega do OE. Com toda a naturalidade, aguardamos por esse caminho, sendo certo que não era esta reunião definir quaisquer posições”, afirmou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, à saída da reunião com o Governo para apresentação das linhas gerais da proposta do OE 2020.

O líder parlamentar do BE sublinhou que esta não foi a primeira vez que o partido esteve reunido com o Executivo de António Costa e que “não é uma reunião definidora”. “É uma negociação ao abrigo da oposição”, afirmou.

A delegação do BE composta pelo líder parlamentar Pedro Filipe Soares e pelos deputados Mariana Mortágua e Jorge Costa esteve reunida com o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado para os Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro para conhecer as linhas gerais do OE 2020, durante cerca de 40 minutos. À saída, sublinharam ainda que as negociações mantém-se em aberto e definiram três prioridades.

“Consideramos que é essencial que este Orçamento do Estado tenha um processo de continuidade na reposição de rendimentos e, desse ponto de vista, a parte salarial e fiscal devem ir a par para garantir mais rendimento às pessoas. Deve também confirmar um caminho de recuperação de direitos, com o reconhecimento a quem trabalhou uma vida inteira, de ter uma vida mais desafogada, e a garantia de bens de primeira necessidade como é o caso da energia, deixam de ser tão onerosos como são atualmente no nosso país”, enunciou Pedro Filipe Soares.

A menos de uma semana da entrega da proposta do OE 2020 na Assembleia da República, o BE mostrou-se otimista quanto à possibilidade de um acordo com o PS. “O sim a uma reposta, às vezes, é dado em poucos segundos. Estamos à espera até ao último minuto”, afirmou.

Relacionadas

OE2020: “Falta de convergência resulta exclusivamente das posições do Governo”, diz PCP

Os comunistas dizem que aprovaram o documento na generalidade se “haver algum conteúdo concreto que justifique esse voto a favor”, mas notam que persistem divergências em relação à utilização dos meios orçamentais.

OE 2020: PSD diz que reunião com Governo foi “muito curta” e prefere aguardar por “medidas concretas”

À saída da reunião com o Governo, a delegação social-democrata afirmou que a reunião foi “muito curta” e que o partido vai aguardar por “medidas mais concretas” para poder avaliar o documento e tomar uma decisão sobre o sentido de voto.

OE2020: Centeno apresenta aos partidos parlamentares linhas gerais da proposta do Governo

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, apresenta hoje, na Assembleia da República, as linhas gerais da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2020 aos partidos com representação parlamentar.
Recomendadas
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Marcelo agradece a ciganos que “deram a vida pela independência” e lamenta discriminação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou hoje os ciganos que “deram a vida” pela independência nacional e lamentou a discriminação de que têm sido alvo em Portugal.
Comentários