Biden alerta para “consequências devastadoras” se Trump não assinar plano de estímulo

O presidente eleito dos Estados Unidos alertou para as “consequências devastadoras” para milhões de norte-americanos em dificuldades se Donald Trump não assinar o pacote de relançamento económico.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, alertou este sábado para as “consequências devastadoras” para milhões de norte-americanos em dificuldades se Donald Trump não assinar, como ameaçou, o pacote de relançamento económico aprovado pelo Congresso.

Após meses de negociações, os parlamentares norte-americanos aprovaram na segunda-feira um plano de apoio à economia de cerca de 900 mil milhões de dólares (737,6 mil milhões de euros), mas o presidente cessante, Donald Trump, rejeitou-o, pedindo, entre outros, um aumento na ajuda direta às famílias.

“Este abdicar de responsabilidades tem consequências devastadoras”, alertou Biden, evocando nomeadamente o fim, a partir de hoje, do subsídio de desemprego para 10 milhões de pessoas e do financiamento dos serviços do Estado a partir de segunda-feira.

“Este projeto de lei é essencial, deve ser assinado para entrar em vigor agora”, adiantou num comunicado o presidente democrata, chamando a atenção para a “devastação económica provocada pela covid-19”.

O pacote de emergência foi incluído na lei de despesas para financiar a administração federal até setembro de 2021, num valor total de 2,3 biliões de dólares (1,8 biliões de euros).

Os pontos mais marcantes do pacote de estímulo são o pagamento de 600 dólares (cerca de 491 euros) a todos os norte-americanos com rendimentos inferiores a 75.000 dólares (61.000 euros) por ano e subsídios de desemprego de 300 dólares (245,7 euros) por semana.

Também inclui 325 mil milhões de dólares (266 mil milhões de euros) em ajuda às empresas, 45 mil milhões de dólares (36 mil milhões de euros) para salvar sistemas de transportes públicos, 82 mil milhões de dólares (67 mil milhões de euros) para escolas e 20 mil milhões de dólares (16 mil milhões de euros) para distribuição de vacinas contra a covid-19.

A sua entrada em vigor está pendente de ratificação pelo presidente cessante. Um eventual veto do presidente republicano terá consequências desastrosas para milhões de norte-americanos, para as pequenas e médias empresas e, particularmente, para os setores da hotelaria, restauração e transportes aéreos, cuja atividade deve sofrer uma vez mais restrições devido ao aumento das infeções pelo novo coronavírus.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários