Biden e Trudeau reafirmam compromisso de responsabilizar Moscovo pela guerra na Ucrânia

De acordo com a Casa Branca, Joe Biden e Justin Trudeau discutiram numa conversa por telefone a concertação de esforços para prestar assistência de segurança à Ucrânia que, desde o dia 24 de fevereiro, enfrenta uma série de ofensivas a leste e a sul por parte das forças militares do Kremlin.

O Presidente dos EUA e o primeiro-ministro do Canadá discutiram ontem, sexta-feira, a guerra em curso na Europa e reafirmaram o compromisso de responsabilizar a Rússia pela invasão da Ucrânia, segundo a “Reuters”, que cita uma declaração emitida pela Casa Branca após uma conversa telefónica entre os dois líderes.

Joe Biden e Justin Trudeau discutiram ainda a concertação de esforços para prestar assistência de segurança à Ucrânia que, desde o dia 24 de fevereiro, enfrenta uma série de ofensivas a leste e a sul do território por parte das forças militares do Kremlin.

De acordo com a Casa Branca, na agenda esteve igualmente a participação dos dois líderes na Cimeira das Américas, que vai reunir chefes de Estado e de governo da região em junho, em Los Angeles.

Na terça-feira, os Estados Unidos rejeitaram convidar os governos de Cuba, Nicarágua e Venezuela para o encontro, por considerarem que esses países “não respeitam” a democracia.

“Cuba, Nicarágua e o regime de [Nicolás] Maduro não respeitam a carta democrática das Américas e, portanto, não espero a sua presença”, comentou no início da semana o secretário de Estado adjunto norte-americano com o pelouro das Américas, Brian Nichols, em declarações ao canal de televisão NTN24, acrescentando que Biden “deixou muito claro que os países que não respeitam a democracia não vão receber convite”.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários