Bloco de Esquerda pede ao Governo versão integral da auditoria ao Novo Banco

Requerimento da deputada Mariana Mortágua alega que relatório integral da auditoria especial ao Novo Banco é “fundamental para a compreensão dos prejuízos que têm conduzido a avultadas injeções de capitais públicos no antigo BES”.

Cristina Bernardo

O Bloco de Esquerda pediu ao Governo a versão integral da auditoria ao Novo Banco nesta terça-feira através de um requerimento endereçado ao presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Filipe Neto Brandão

“Ao abrigo das disposições regimentais e constitucionais, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda requer, com caráter de urgência, o envio à Assembleia da República do relatório da auditoria especial ao Novo Banco na sua versão integral, incluindo a lista de entidades codificadas”, lê-se no documento.

No texto assinada pela deputada Mariana Mortágua, o Bloco de Esquerda pede também “a divulgação pública imediata do relatório de auditoria especial ao Novo Banco, na sua versão atual”.

“O relatório da auditoria especial ao Novo Banco é fundamental para a compreensão dos prejuízos que têm conduzido a avultadas injeções de capitais públicos no antigo Banco Espírito Santo (BES)”, garante o Bloco de Esquerda, considerando que os deputados devem “ter acesso a todas as informações relevantes, mas também transparência no processo”.

“Por um lado, o relatório foi expurgado de informações importantes relativas às entidades envolvidas nas operações de crédito do BES e Novo Banco. Por outro, e apesar de não conter nomes ou outras informações de carácter sensível, a sua classificação enquanto “confidencial” impede, de forma injustificada, a sua divulgação”, aponta o Bloco de Esquerda.

A ausência de informação foi destacada, em declarações a jornalistas na Assembleia da República, por Mariana Mortágua nesta terça-feira, garantindo que a auditoria “não tem uma resposta, neste momento, para a gestão privada do Novo Banco, em que os prejuízos são pagos com dinheiro do Estado”.

“O Parlamento continua sem saber, quando analisa operações de crédito efetuadas pelo BES e por Ricardo Salgado, quem foram os clientes que beneficiaram dessas condições de crédito”, disse Mariana Mortágua.

Apesar dessa falta de dados, foi possível à deputada do Bloco de Esquerda concluir que “o negócio foi ruinoso do princípio ao fim, [a auditoria] confirma que foram tomadas más decisões políticas, confirma obviamente a responsabilidade da anterior gestão do BES e de Ricardo Salgado”.

Na madrugada desta terça-feira, a Deloitte divulgou a auditoria que esteve a realizar aos atos de gestão no BES e Novo Banco, que abrange um período de 18 anos. No documento enviado ao Ministério Público, é revelado que entre 4 de agosto de 2014 e 31 de dezembro de 2018 o banco perdeu 4.042 milhões de euros em 283 operações.

Relacionadas

Novo Banco: Deputados querem saber o que podem (e não podem) divulgar da auditoria

Auditoria da Deloitte a 18 anos de gestão do BES/Novo Banco será divulgada depois de serviços jurídicos do Parlamento e Governo indicarem o que é confidencial e as informações que podem ser desclassificadas. Pretende-se tornar público o relatório sem as informações consideradas sigilosas que obrigam os deputados a cumprir as regras do segredo bancário.

Bloco de Esquerda diz que auditoria ao Novo Banco “confirma que foram tomadas más decisões políticas”

Mariana Mortágua afirma que a auditoria não responde a todas as perguntas sobre o banco e refere que a Assembleia da República “tem de ter todos os dados para poder analisar o que se passou”, incluindo “nomes de empresas, nomes de devedores e de empresas que já tiveram as operações reestruturadas e perdoadas”.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

João Gomes Cravinho: Ofício sobre “real custo” das obras no hospital militar foi inicialmente “recusado pelo servidor”

O governante, que tutelou a Defesa entre 2018 e 2022, está hoje a ser ouvido no parlamento no âmbito de uma audição requerida pelo PSD, momento em que recuperou a cronologia dos acontecimentos e detalhou algumas informações sobre o processo de reconversão do antigo Hospital Militar de Belém – que tinha um custo inicial de 750 mil euros e acabou em 3,2 milhões.

Três milhões a voar no balão da controvérsia. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.
Comentários