Boris Johnson: o Brexit já é passado

Está resolvido, não vale a pena pensar mais nisso. Foi esta a mensagem do primeiro-ministro britânico à porta da residência que vai continuar a ocupar. O problema é a Escócia. E a Europa, com todos os seus estados de alma.

DR Daniel Leal-Olivas/ REUTERS

Como seria de esperar, o primeiro-ministro Boris Johnson – no seu segundo discurso em frente à porta de Downing Street que exibe o número 10 – decidiu produzir um discurso em que o Brexit foi apresentado como uma espécie de assunto do passado : está claro – pelo número de deputados eleitos pelos conservadores – que os britânicos querem o Brexit, o Brexit será feito em coisa de um mês, pouco mais, ponto final.

O que importa é o que vem a seguir, disse Johnson: “queremos trabalhar com a União, como amigos e soberanos iguais, para combater as alterações climáticas e o terrorismo, para construir uma cooperação académica e científica”. “A principal prioridade do povo britânico agora é que nos devemos focar no Serviço Nacional de Saúde. Essa ideia bela que representa o melhor do nosso país. Se se perguntarem a vós mesmos o que é que vamos fazer. Vamos unir-nos, unir todo este incrível Reino Unido, Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, juntos”, disse.

Johnson falava do futuro, mas de algum modo mascarando esse futuro com as cores de unidade que, sabe-o bem, não são reais: é que entre as várias nações que o primeiro-ministro insiste que façam parte do todo que é a Grã-Bretanha, há uma que vai ser o seu próximo grande problema.

Johnson não estaria a pensar nas duas Irlandas e no enormemente vago acordo do ‘backstop’, mas da promessa dos escoceses em tudo fazerem para complicar o Brexit e promoverem um referendo de secessão. Esse será o próximo grande desafio do primeiro-ministro, que pode vir a trazer graves dissabores à maioria parlamentar saídas das eleições desta quinta-feira.

Seja como for, Boris Johson está em excelente posição para fechar o Brexit – e sabe, por outro lado, que a União tem tudo a ganhar em manter um bom ambiente com os que agora a abandonam: num mundo que se foi encolhendo desde que o Donald Trump chegou à Casa Branca, a Europa entendida como um todo não tem como deixar de se virar para si própria.

Do ponto de vista político interno, e para além da vitória indiscutível, Johnson pode contar com um hiato durante o qual a oposição do Partido Trabalhista estará como que adormecida: o seu ainda líder, Jeremy Corbyn – que ainda não se terá convencido que o seu tempo político acabou – terá que colocar o lugar à disposição e, nos próximos tempos, o partido entreter-se-á consigo próprio, deixando o primeiro-ministro em roda livre.

Para além das questões internas, a grande dúvida é como vai Boris Johnson gerir o posicionamento do Reino Unido em termos da geopolítica planetária. O primeiro-ministro poderá cair na tentação de ser o próximo parceiro privilegiado dos Estados Unidos – a altura, com o impeachment, é propícia – mas com certeza que os britânicos não quererão ficar reduzidos a uma espécie de colónia da sua ex-colónia.

Desse ponto de vista, será interessante observar-se como vai Boris Johnson lidar com questões tão importantes como a crise com o Irão, a guerra na Síria, a manutenção da amizade com a Arábia Saudita ou o estado de nervos que vai sucumbindo Israel. Já agora, também vale a pena tentar perceber-se se Johnson olhará para a União como um todo, ou se vai escolher (o que não seria fácil) entre Paris e Berlim para uma amizade sincera e possível casamento futuro.

Relacionadas

Jeremy Corbyn indica que poderá abandonar cargo no “início do próximo ano”

Depois da hastag #CorbynOut ter ganho força e das criticas de alguns membros do partido, o líder do derrotado dos Labour sugere que um novo presidente poderá ser eleito na próxima assembleia geral do partido.

Boris Johnson promete Brexit a 31 de janeiro

Com 648 dos 650 dos assentos atribuídos, o Partido Conservador garantiu já 363, contra 203 do Partido Trabalhista, que perdeu 59, e 48 do Partido Nacionalista Escocês.

Partido Conservador britânico oficialmente vencedor após garantir maioria absoluta

O Partido Conservador garantiu hoje uma maioria absoluta e venceu oficialmente as eleições legislativas britânicas, apesar de a contagem dos votos continuar em curso.
Recomendadas

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.

Meloni promete combate aos custos de energia em Itália

A primeira-ministra abordou a questão na sua primeira aparição pública depois das eleições, numa feira agrícola em Milão. “A postura da Itália deve voltar a ser a defesa dos seus interesses nacionais para encontrar soluções comuns”, afirmou.

Eleições no Brasil. Mais segurança nos locais de voto do Porto e Faro

Os consulados do Brasil no Porto e em Faro, tal como em Lisboa, terão reforço de segurança, privada e da PSP, nos locais de votação e áreas envolventes, para as presidenciais deste domingo, confirmaram responsáveis consulares.
Comentários