BPI eleito ‘Banco do Ano 2020’ pela revista do FT por causa da solvência e projetos sociais com a Fundação la Caixa

Entre os indicadores em análise, a revista “The Banker” valorizou a qualidade dos resultados financeiros do BPI, o crescimento das quotas de mercado na generalidade dos segmentos e a expansão da base de clientes. A introdução de critérios ESG na análise de risco e de investimentos do BPI também foram fatores destacados.

O BPI foi escolhido como ‘Banco do Ano 2020’ em Portugal pela revista britânica ‘The Banker’, do Grupo Financial Times (FT).

A justificar o prémio está o facto de a The Banker considerar que é o banco melhor posicionado em termos de solidez financeira. Mas a revista do Grupo FT também considerou “a sua capacidade de resposta à pandemia, apoiando os clientes e a sociedade, incluindo os grupos mais vulneráveis”.

Portanto, foi o crescimento sustentável do negócio e o compromisso social que deram origem à distinção.

É a primeira vez que o BPI recebe este prémio, concedido anualmente em Londres, e que distingue os principais bancos de mais de 150 países que superam “de forma relevante” os desafios que enfrenta o setor, incluindo a sua capacidade de liderar em matéria de dinamismo comercial e inovação nos respetivos mercados.

O presidente executivo do BPI, João Pedro Oliveira e Costa, salientou em comunicado que “esta distinção reconhece o sucesso da estratégia do BPI assente na qualidade do serviço, digitalização e compromisso social”. “O BPI tem uma situação de capital, liquidez, qualidade dos ativos e reputação que o distingue no mercado português, e que tem sido reconhecida por prestigiadas entidades internacionais independentes”, refere.

João Pedro Oliveira e Costa sublinhou ainda que o prémio constituiu um reconhecimento do “trabalho dos profissionais do BPI, que em todos os momentos da pandemia proporcionaram um serviço de qualidade a empresas e pessoas, sem interrupções, disponibilizando novos serviços e facilidades em tempo record”.

Entre os indicadores em análise, a revista The Banker valorizou a qualidade dos resultados financeiros do BPI, o crescimento das quotas de mercado na generalidade dos segmentos e a expansão da base de clientes. A introdução de critérios ESG (Environmental, Social and Governance) na análise de risco e de investimentos do BPI também foram fatores destacados.

Outra métrica analisada foi a capacidade de resposta à pandemia, tendo o BPI mostrado capacidade tecnológica e de inovação para dar resposta às necessidades impostas pelo confinamento, e uma intensa atividade de apoio às Empresas e Famílias portuguesas, incluindo os grupos mais vulneráveis.

No domínio social, destacam-se os prémios BPI ”la Caixa”, no valor de 3,75 milhões de euros, que estão a apoiar mais de um centena de projetos de instituições privadas sem fins lucrativos, refere o banco em comunicado.

A The Banker é uma das mais prestigiadas revistas do sector financeiro a nível mundial, de origem britânica e integrada no Grupo Financial Times que disponibiliza informação económica e financeira desde 1926 e cobre notícias relativas aos mercados financeiros, banca, regulação, riscos, transações e tecnologia.

Recomendadas

ASF pede que seguradoras reduzam prémio cobrado quando capital seguro decresce

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) lança recomendações ao sector segurador para mitigar o impacto da conjuntura económica adversa.

BPI obtém certificação AENOR para a qualidade do serviço na “Banca de Empresas”

A “Banca de Empresas do BPI” serve, através de uma rede especializada, as grandes, pequenas e médias empresas. Segundo a instituição esta rede “é também direcionada para Clientes institucionais, nomeadamente entidades do Setor Público, Empresas Públicas e Municipais e Setor Empresarial do Estado”.

Caixa realiza Simulacro anual no edifício Sede

“O exercício teve a participação de 3 mil pessoas que se encontravam no edifício à hora do simulacro”, diz a CGD.  
Comentários