TdC: BPN custou ao Estado 4,9 mil milhões de euros entre 2011 e 2018

Só no ano passado o saldo das receitas e despesas orçamentais decorrentes da nacionalização e reprivatização do BPN e da constituição das sociedades-veículo públicas Parups, Parvalorem e Parparticipadas foi negativo em 829 milhões de euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O processo de nacionalização e reprivatização do Banco Português de Negócios (BPN) custou ao Estado 4,9 mil milhões de euros entre 2011 e 2018, segundo o parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado de 2018, hoje divulgado.

No documento, o Tribunal de Contas aponta que só no ano passado o saldo das receitas e despesas orçamentais decorrentes da nacionalização e reprivatização do BPN e da constituição das sociedades-veículo públicas Parups, Parvalorem e Parparticipadas (que ficaram com ativos do ex-BPN) foi negativo em 829 milhões de euro, mais 75% que no ano anterior.

De relembrar que a Parvalorem ficou com a gestão dos créditos do BPN, enquanto a Parups ficou com os imóveis, e outros ativos entre os quais obras de arte, e a Parparticipadas gere as participações do BPN em outras empresas e fundos. No fim de 2018, os capitais próprios negativos das três empresas totalizam mais de 1.028 milhões de euros, sendo este um encargo que poderá vir a ser suportado pelo Estado.

A este valor de capital próprio acrescem 5.952 milhões de euros, aos quais ainda vão ser acrescentados os resultados dos exercícios seguintes. No último dia do ano passado (31 de dezembro de 2018, “as garantias prestadas pelo Estado às sociedades veículo do ex-BPN totalizavam 1.377 milhões”, diz o documento divulgado pelo tribunal. Assim, este valor pode aumentar e ultrapassar os seis mil milhões de euros.

No total, a fatura do BPN nas contas públicas totalizou, entre 2011 e 2018, 4,9 mil milhões de euros. No Orçamento de Estado para 2020, o Governo assumiu que precisaria de colocar mais 55 milhões de euros na Parvalorem, uma das empresas herdeiras do antigo BPN.

Relacionadas

Caso BPN: Oliveira e Costa condenado por fraude fiscal mas mantém 15 anos de prisão

Em novembro do ano passado, o ex-banqueiro, inicialmente condenado a 14 anos de prisão, viu agravada a pena em mais um ano de cadeia por abuso de confiança, depois de o tribunal se ter esquecido de fixar a pena.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

Banco de Portugal mantém a zero a exigência aos bancos de um “reserva contracíclica de fundos próprios”

O Banco de Portugal revelou o tradicional comunicado sobre a reserva contracíclica de fundos próprios, desta vez relativa ao 4.º trimestre de 2022. O supervisor vai manter a dispensa de constituição de reserva contracíclica para a banca no quatro trimestre deste ano, à semelhança do que sucedeu nos anteriores.

Merlin Properties compra sede do Novobanco na Avenida da Liberdade por 112 milhões

A informação do comprador foi confirmada pela entidade bancária esta sexta-feira em comunicado, depois de já ter avançado com o valor do negócio nas últimas semanas.
Comentários