Brexit: Europa está “unida, coesa e preparada” para as negociações com Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa recusou-se a comentar os resultados eleitorais do Reino Unido e o ministro dos Negócios Estrangeiros português assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé”.

Quando questionado sobre o resultado eleitoral no Reino Unido, o Presidente da República dispensou fazer qualquer tipo de comentário, afirmando apenas que o importante agora “é que a União Europeia (UE) está unida, coesa e preparada, como está, para as negociações [relativas à saída do Reino Unido da UE]”.

Já Augusto Santos Silva, enquanto “ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo português, de um dos 27 Estados-membros”, assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé, defendendo os interesses europeus, mas procurando acautelar a relação futura mutuamente benéfica com o Reino Unido”, avançou à Lusa.

De acordo com os resultados oficiais hoje publicados, apesar do partido de Theresa May ter sido o mais votado, perdeu a maioria absoluta nas eleições legislativas antecipadas, desta quinta-feira, no Reino Unido.

“Nós, os europeus, não precisávamos que a senhora Theresa May tivesse uma maioria reforçada para negociar o Brexit. Nem sequer precisávamos que a senhora Theresa May continuasse primeira-ministra. Isso não é um assunto nosso”, observou Santos Silva.

E acrescentou: “Qualquer que seja o primeiro-ministro britânico ou a composição do parlamento britânico, os termos de referência, da parte dos europeus para negociar o Brexit, estão aprovados e são conhecidos”.

O chefe da diplomacia portuguesa admitiu que “do ponto de vista do habitual padrão britânico, onde a regra é a constituição de maiorias absolutas”, o resultado eleitoral no Reino Unido “é complexo”. Contudo, “não causa nenhuma estranheza a quem está habituado ao sistema português ou de outros países da Europa continental”, salientou.

“Estou certo que o parlamento britânico, com a composição que agora tem, saberá gerar, com a eficácia que lhe é reconhecida, uma solução de Governo. O novo Governo britânico saberá interpretar a mensagem que o conjunto do eleitorado dirige aos senhores deputados e deputadas do Reino Unido”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros português.

Sem entrar em pormenores sobre a política interna britânica, o ministro assegurou que “Portugal trabalhará, como sempre trabalha, com o máximo de proximidade e de lealdade com qualquer Governo que seja formado no Reino Unido”.

Santos Silva adiantou, ainda, que não espera “que haja atrasos substanciais no ponto que nos diz respeito a nós, europeus, isto é, na negociação do Brexit. Talvez possa haver um reajustamento do calendário inicial das negociações”, frisou.

“Mais uma vez, a democracia britânica funcionou em pleno” com os cidadãos a votarem “”com o espírito cívico e de participação que os caracteriza, apesar de todos os ataques terroristas de que foram vítimas nos dias anteriores”, concluiu, citado pela agência de notícias portuguesa.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Costa define metas. “É urgente reconhecer nexo” entre clima e oceano

Estas metas foram assumidas por António Costa no discurso que proferiu no primeiro dia da 2.ª Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), coorganizada por Portugal e pelo Quénia, que decorre até sexta-feira na Altice Arena, em Lisboa.

Jornalistas denunciam obstáculos ao seu trabalho na Conferência dos Oceanos. Guterres não responde, Marcelo diz que vai verificar

Jornalista brasileiro denunciou em conferência de imprensa o tratamento dado à comunicação social no evento organizado pela ONU, e que o JE pode observar no local. Guterres rejeitou responder, mas Marcelo disse que vai verificar as condições.
Comentários